Fonte: OpenWeather

    Carnaval 2021


    Blocos clandestinos de carnaval podem aumentar casos da Covid no AM

    Para os que pensam em aglomerar na capital, especialistas da saúde alertam para o aumento da contaminação pelo novo coronavírus

    Especialistas da saúde orientam que os amazonenses cumpram o isolamento social | Foto: Divulgação/Semcom

    Manaus (AM) - Mesmo com as festas de carnaval sendo canceladas no Amazonas, por conta da pandemia da Covid-19, ainda há manauaras que pensam em aglomerar em blocos e festas clandestinas. Porém, especialistas da saúde orientam que os amazonenses cumpram o isolamento social, pois caso contrário, a contaminação pelo novo coronavírus pode aumentar.

    As festas de carnaval que alegram o mês de fevereiro dos brasileiros apresenta perigo de um novo surto no Amazonas, mesmo as autoridades públicas em conjunto com os grupos carnavalescos confirmando que não haverá festa em todo o estado.

    Para a médica infectologista Ana Galdina, os encontros das festas de fim de ano deveriam servir de alerta já que no início deste ano tivemos muitos casos em todo o Amazonas. “O que aconteceu em janeiro foi a soma de vários determinantes. Tivemos uma maior circulação de pessoas no mês de dezembro, que foi paulatinamente aumentando a circulação viral na comunidade, associado aos eventos de aglomeração das festas de final de ano. As reuniões familiares inclusive. 

    Porém a médica ressalta que não foi somente este fator que fez com que o Amazonas tivesse em janeiro um número grande de infectados pelo novo coronavírus. “Por fim a prevalência da variante P1, a variante presente no Amazonas, que tem uma taxa de transmissibilidade maior, junto com os encontros de fim de ano foram fatores pilares para o aumento de casos no mês de janeiro”.

    Tempo de reflexão

    Para a psicóloga Suene Santos, é preciso que as pessoas tenham consciência que este é um momento único. “Muitas pessoas podem ficar tristes na sua casa por não poderem participar do carnaval. Mas é preciso entender que este é um momento único. Ter saúde mental não é só diversão com aglomeração. É possível se divertir de outras formas”.

    Novo cenário de caos

    A infectologista Ana Galdina revela que se as pessoas optarem por reuniões pessoais, eventos onde não se mantenha o distanciamento interpessoal e eventos sociais com aglomeração, certamente o Amazonas terá um novo cenário de caos, pois haverá um pico de novas infecções.

    "A rede hospitalar ainda está se organizando para tratar os casos remanescentes de janeiro. Temos internações prolongadas.  A rede de saúde não está preparada para um novo pico de casos.  Acredito que seria mais devastador do que os eventos de janeiro”, ressalta.

    Carnaval suspenso

    O governo do Amazonas suspendeu os pontos facultativos do carnaval nos dias 15, 16 e 17 de fevereiro. A suspensão foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) no dia 2 de fevereiro. No dia 29 de janeiro, o governador Wilson Lima já havia anunciado a suspensão da folia, após o endurecimento das medidas restritivas contra a Covid-19 em todo o estado.

    O Amazonas vive um novo surto da doença. Até esta quinta-feira (11), o Amazonas já registrou mais de 290 mil casos e pouco mais de 9,6 mil mortes. Com o aumento no número de registros da doença, o estado enfrenta também um novo colapso no sistema de saúde e chegou a enfrentar uma crise no abastecimento de oxigênio. Atualmente, o Amazonas encontra-se na fase roxa, que corresponde a classificação máxima de risco para a transmissão do coronavírus.

    Leia mais:

    Pessoas que tomaram a 1ª dose da vacina devem continuar usando máscara

    'Imunidade de rebanho' reacende debate em segunda onda da Covid no AM

    Especialistas alertam para disseminação de nova cepa a outros estados