Fonte: OpenWeather

    Cheia dos rios


    Defesa Civil articula ações para enfrentar a cheia dos rios 2021

    O objetivo da reunião, realizada de forma remota com os coordenadores dos municípios, foi o de alinhar as informações referentes à cheia dos rios que já começa a afetar algumas localidades

     

    A videoconferência foi dirigida pelo Major Hélcio Cavalcante, chefe do Departamento de Resposta de Desastre e Suporte
    A videoconferência foi dirigida pelo Major Hélcio Cavalcante, chefe do Departamento de Resposta de Desastre e Suporte | Foto: Divulgação/Defesa Civil

    Amazonas - A Defesa Civil do Amazonas realizou, na manhã de quinta-feira (18), duas videoconferências com representantes das Defesas Civis dos municípios, para alinhar informações referentes à cheia dos rios e combate à pandemia e outras endemias. A primeira reunião ocorreu com os coordenadores de Envira e Eirunepé, que fazem parte da calha do Juruá. E a segunda reunião aconteceu com os representantes dos municípios de Lábrea, Beruri e Boca do Acre, que compõem a Calha do Rio Purus.

    A videoconferência foi dirigida pelo Major Hélcio Cavalcante, chefe do Departamento de Resposta de Desastre e Suporte. A reunião contou com a participação dos representantes da Defesa Civil do Estado; Tenente Robson Almeida, coordenador regional; Sargento Charlis Barroso, chefe do Centro de Monitoramento e Alerta – CEMOA; Patrícia Guimarães, gerente de monitoramento meteorológico; e a agente de Defesa Civil, Michele Santos, que atua na coordenação da calha do Juruá.

    O objetivo da reunião, realizada de forma remota com os coordenadores dos municípios, foi o de alinhar as informações referentes à cheia dos rios que já começa a afetar algumas localidades; além de obter informações referentes às ações que estão sendo executadas pelos municípios no combate e prevenção à Covid-19, bem como a situação da malária e a dengue. 

    Foram feitas também orientações para o informe da nova instrução normativa do Governo Federal, n° 36, de 4 de dezembro de 2020, pelo Ministério de Desenvolvimento Regional, que traz a alteração no prazo de instauração do processo de declaração de situação de emergência e de calamidade pública, no sistema SD2I, para 10 dias. Por considerar que a primeira resposta referente ao desastre sempre será do município. E o estado oferece o suporte nas ações complementares, necessárias para as famílias atingidas pela inundação. 

    Os municípios que não conseguiram participar das reuniões foram contatados via telefone para serem inteirados das abordagens realizadas: Eirunepé e Envira. 

    Será enviado para os municípios que não puderam participar um relatório sobre os temas e discussões abordadas na reunião de hoje. 

    O Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil – Cemoa realiza diariamente a atualização das informações, através da Agência Nacional de Águas - ANA, Sistema de Proteção da Amazônia - SIPAM e Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM. Segue abaixo: 

    Municípios da Calha do Juruá em status de alerta:

    Guajará, Ipixuna, Envira, Eirunepé, Itamarati, Carauari e Juruá.

    Municípios da Calha do Purus em status de alerta:

    Boca do Acre, Pauini, Lábrea, Canutama e Tapauá.


    *Com informações da assessoria