Fonte: OpenWeather

    Enchente


    Em estado de calamidade pública, Boca do Acre sofre com enchentes

    Ao menos 4 mil famílias foram atingidas pela crise. Apenas um bairro do município não foi afetado

     

    Os registros de hoje (28) mostram que mais de 18 mil pessoas foram afetadas pela enchente
    Os registros de hoje (28) mostram que mais de 18 mil pessoas foram afetadas pela enchente | Foto: Divulgação

    Manaus - A população do município de Boca do Acre, a 1.557 km de Manaus, tem sofrido com a cheia dos rios Acre e Purus há quase 10 dias. Famílias que não conseguiram sair de suas casas, estão recebendo auxílio com água potável e mantimentos. Com as ruas alagadas, os meios de transporte passaram a ser fluviais, como canoas, botes e voadeiras.

    De acordo com o Secretário de Defesa Civil de Boca do Acre, em balanço na noite de sábado (27), 3.973 famílias tiveram suas casas atingidas pelas águas. Desse total, 327 são da área rural e 3.646 são dos 11 bairros da área urbana do município. Até o momento, mais de 18 mil pessoas foram afetadas pela enchente. 

    O município, que entrou em situação de calamidade pública, teve o fornecimento de água potável suspenso. Além disso, a enchente ocasionou diversos outros problemas. O atendimento em unidades de saúde foi comprometido, as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foram canceladas, assim como as aulas, que estavam sendo remotas.

    O chefe de gabinete do município, Flávio Zanetti, afirmou que algumas famílias estão isoladas em suas casas e recebem ajuda com mantimentos e água potável. Outras 30 estão em abrigos na cidade, em escolas. Neste domingo (28), o nível do rio marca 20,57 metros. 

    "A parte da cidade baixa está com 90% das ruas alagadas, um único bairro, que fica a 6 quilômetros de distância não foi afetado, por ficar na parte mais alta. Nós temos no município hoje quatro abrigos. Nós temos 30 famílias nesses abrigos. O município há anos sofre com isso, algumas famílias conseguiram levantar suas casas. Mas tem pessoas que estão isoladas, estão tendo que ser assistidas com água, mantimentos", afirmou Zanetti.  

    Ajuda humanitária

    Outros municípios que também sentem os efeitos das cheias deste ano são Pauini, Guajará e Envira. O governador do Amazonas, Wilson Lima, realizou a entrega da ajuda humanitária a famílias do município de Boca do Acre, neste sábado (27). Ao todo, foram destinadas ao município 34 toneladas de alimentos; 500 botijas de gás; mil galões de água mineral; três caminhões pipa e quatro embarcações de médio porte para suporte na logística de transporte.

    O governador assegurou total apoio na assistência às famílias da região, que deve contar também com o fornecimento de água potável, por meio de miniestações de purificadores de água.

    "Estamos aqui trazendo ajuda humanitária, entregando cestas básicas, botijas de gás, estamos também entregando galões de água, porque muitas famílias estão sendo prejudicadas pela falta de água potável. Nós também estamos disponibilizando carros pipa e embarcações para fazer entregas nas comunidades mais distantes. Para semana que vem a gente já começa o processo de instalação de estruturas para que possamos ter água potável para algumas comunidades", disso o governador.

    Nesta semana, o Estado deve iniciar a montagem das estruturas de mini-estações de purificadores de água em Boca do Acre e também nos municípios mais afetados pela cheia, para garantir água potável para atendimento das necessidades de consumo da população.

    A ação conta com o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB), para garantir celeridade na logística do transporte de mantimentos e das estruturas para montagem das ministrações, além de outras ações que serão implementadas. O abastecimento da Central de Medicamentos (Cema) irá aumentar, para suprir as demandas.

    Leia Mais:

    Wilson Lima reforça importância de vacinação em Boca do Acre

    Afetados pelas cheias no AM podem ser anistiados de dívidas pela Afeam

    Governo do Acre inicia atendimentos médicos a desabrigados