Fonte: OpenWeather

    Cheia 2021


    'Nunca vi uma enchente deste tamanho', diz morador de Carauari, no AM

    Muitas famílias perderam as casas e buscam abrigo em locais mais altos da cidade

     

    A expressiva subida do rio Juruá foi uma reação ao evento La Ninã que provoca a intensificação das chuvas no Brasil, principalmente na Amazônia
    A expressiva subida do rio Juruá foi uma reação ao evento La Ninã que provoca a intensificação das chuvas no Brasil, principalmente na Amazônia | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - “Nunca vi uma enchente nessa época do ano deste tamanho, nasci e cresci à beira do rio Juruá e o que está acontecendo é inédito”, afirma o morador do município de Carauari, no Amazonas, o aposentado Joaquim Cunha, sobre a subida dos rios, neste mês, no Estado do Amazonas.

    Colaboradores da Fundação Amazônia Sustentável (FAS) visitaram a cidade, que é banhada pelo rio Juruá e localiza-se a 720 quilômetros de Manaus, do dia 15 a 20 de março, para verificar a situação dos habitantes e buscar meio de minimizar os riscos.

    La Ninã

    A expressiva subida do rio Juruá foi uma reação ao evento La Ninã que provoca a intensificação das chuvas no Brasil, principalmente na Amazônia, no Nordeste e parte do Sudeste.

    A informação consta no Boletim de Monitoramento Hidrometerológico da Amazônia Ocidental, divulgado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), que também comprovou que a bacia do rio Juruá teve a maior média de precipitação na Amazônia, atingindo 365 mm, no período do dia 16 a 17 de março de 2021. 

     

    A expressiva subida do rio Juruá foi uma reação ao evento La Ninã que provoca a intensificação das chuvas no Brasil, principalmente na Amazônia
    A expressiva subida do rio Juruá foi uma reação ao evento La Ninã que provoca a intensificação das chuvas no Brasil, principalmente na Amazônia | Foto: Divulgação


    Leia também: Cheia do Rio Juruá avança sobre bairros e ruas de Eirunepé, no AM

                                Cheia deixa em emergência municípios do Amazonas

    De acordo com o Coordenador de Articulação Institucional da FAS, Ademar Cruz, das 12 comunidades visitadas, 80% foram diretamente afetadas pela enchente. “Essas pessoas perderam não só suas moradias, como também seus trabalhos, quase todos desenvolvidos na agricultura e plantio”, informou.

    Enchente e animais 

    Ademar Cruz declara que muitos moradores afirmam que o perigo com os animais é outra situação que os aflige. Uma moradora, da Comunidade Morada Nova, expõe que já matou três cobras nas últimas semanas. Os animais entram nas casas pela correnteza do rio, que já chegou também a derrubar algumas casas da região.

     

    A preocupação maior da população é a existência de uma forte crise após a enchente. Todas as produções na agricultura foram perdidas para água e é necessário recomeçar todo o trabalho
    A preocupação maior da população é a existência de uma forte crise após a enchente. Todas as produções na agricultura foram perdidas para água e é necessário recomeçar todo o trabalho | Foto: Divulgação


    Abrigo

    Em entrevista com as comunidades, o coordenador alega que muitas famílias perderam totalmente suas casas e procuraram abrigo em um dos locais mais altos da cidade, a escola. Entretanto, a subida do rio já atingiu a escola e a precariedade de moradia ficou pior. “É uma vivência triste presenciar essa situação, visitar as casas e ver tanto sofrimento. Junto à pandemia, essa enchente leva uma grande desesperança para os moradores”, declara Ademar Cruz. 

    Crise

     

    Colaboradores da Fundação Amazônia Sustentável (FAS) visitaram a cidade, que é banhada pelo rio Juruá do dia 15 a 20 de março
    Colaboradores da Fundação Amazônia Sustentável (FAS) visitaram a cidade, que é banhada pelo rio Juruá do dia 15 a 20 de março | Foto: Divulgação

    A preocupação maior da população é a existência de uma forte crise após a enchente. Todas as produções na agricultura foram perdidas para água e é necessário recomeçar todo o trabalho. “Para quem não tinha nada, a inquietação será ainda maior, começar do zero poderá causar depressão em muitas famílias da comunidade”, afirma o coordenador. 

    A FAS já iniciou o processo de reuniões para novas parcerias e para colaborar com a recuperação de fonte de renda, e moradia das pessoas atingidas pela enchente.

    Leia mais:

    www.emtempo.com.br/economia

    www.emtempo.com.br/cheia

    www.emtempo.com.br/amazônia