Fonte: OpenWeather

    Prefeitura


    Mauazinho ganha novas pontes para diminuir danos da cheia dos rios

    As pontes passarelas estão sendo construídas como forma de plano preventivo

     

    Órgão irá construir e reforçar cerca de 500 metros de ponte de madeira
    Órgão irá construir e reforçar cerca de 500 metros de ponte de madeira | Foto: Suyanne Lima

    MANAUS - Para minimizar prováveis danos que possam ser ocasionados com a cheia dos rios, a Prefeitura de Manaus, por meio da Casa Militar e Defesa Civil, iniciou nesta quinta-feira (8), as construções de pontes provisórias no bairro Mauazinho, na Zona Leste de Manaus. 

    Pelo menos 200 famílias moram na região. O tenente William Dias, secretário da Casa Militar informou que a ação é preventiva e as pontes passarelas estão sendo construídas antes mesmo da cheia. O plano preventivo foi executado após determinação do prefeito David Almeida.

    "Queremos que as pessoas que moram nessa localidade tenham seus danos e prejuízos diminuídos. São aproximadamente 200 famílias que já possuímos catalogação. Aqui é um dos primeiros bairros que será atingido pela subida nos rios e por isso por aqui se iniciam os trabalhos", explicou.

     

    tenente William Dias, secretário da Casa Militar
    tenente William Dias, secretário da Casa Militar | Foto: Suyanne Lima

    Dias informou que a previsão é que os rios subam até 30 metros podendo ser mais uma cheia histórica. A Prefeitura tem atuado em reuniões para diminuir esses prejuízos. A Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) também nos dará apoio nesta ação. 

    "Atuaremos dessa mesma forma preventiva em outros bairros da capital, como São Jorge e o Centro, nas Zonas Oeste e Sul de Manaus. O próximo em que iremos atuar é no São Jorge, assim que as obras aqui no Mauazinho finalizarem. Estimamos que as obras durem pelo menos duas semanas", concluiu. 

    O órgão irá construir e reforçar cerca de 500 metros de ponte de madeira, o equivalente a 400 metros quadrados, para que o translado dos moradores do beco do Pescador, na rua 5 e na rua 13 do Mauazinho.

    Veja entrevista