Fonte: OpenWeather

    Saúde


    Programa contra o Aedes aegypti está em 1,2 mil instituições no AM

    Dados parciais do Departamento de Vigilância Epidemiológica da FVS-AM (DVE/FVS-AM) apontam para o registro de 4.379 casos notificados de dengue

    O monitoramento é realizado por meio da análise de dados, enviados mensalmente pelas equipes municipais de saúde | Foto: Reprodução

    MANAUS - Com mais de 4,3 mil casos notificados de dengue, o Programa de Brigadas de combate ao Aedes aegypti já está ativo em 1.217 instituições no Amazonas. Ao adotar a iniciativa, a instituição tem o dever de manter os ambientes livres do mosquito, transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya. A iniciativa é coordenada pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM).

    A atividade é importante estratégia para combater as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, que apresentam sazonalidade de novembro a maio no Amazonas. Esses meses concentram 80% das notificações de dengue e coincidem com o período chuvoso no Amazonas

    Pelo programa, os integrantes realizam checagem de, no mínimo, 10 minutos, uma vez por semana, para eliminar criadouros e interromper o ciclo do transmissor, evitando o nascimento de novos mosquitos. As brigadas também incluem a realização de atividades educativas em saúde e monitoramento de casos suspeitos de dengue, zika e chikungunya. A estratégia está sob a responsabilidade conjunta de três setores da FVS-AM: Grupo Técnico de Integração (GTI), Gerência de Doenças de Transmissão Vetorial (GDTV-Dengue) e Núcleo de Educação em Saúde (NES).

    No Amazonas, a iniciativa está presente em instituições públicas e privadas de Manaus e em nove municípios do interior do estado que foram visitados por equipes da FVS-AM em 2019. São eles: Borba, Coari, Maués, São Gabriel da Cachoeira, Humaitá, Novo Aripuanã, Guajará, Novo Airão e Boa Vista do Ramos.

    Além dessas cidades, também apresentaram ações de combate ao Aedes aegypti, as equipes de saúde de Tefé, Presidente Figueiredo e Manacapuru, que receberam treinamento presencial na sede da FVS-AM em Manaus, antes da pandemia de Covid-19, ainda no início de 2019. As instituições que estão em condições satisfatórias recebem o selo do programa que demonstra compromisso social do estabelecimento no combate ao mosquito.

    O programa está aberto a adesões de instituições públicas e privadas. “As ações contribuem para a intensificação das estratégias de combate ao vetor nesses ambientes. Incentivamos que municípios e estabelecimentos busquem aderir ao programa e contribuam para o controle do mosquito”, destaca o diretor-presidente da FVS-AM, Cristiano Fernandes.

    O monitoramento é realizado por meio da análise de dados, enviados mensalmente pelas equipes municipais de saúde, com informações das inspeções semanais, atividades educativas e notificações de casos suspeitos de dengue, zika e chikungunya. “A partir desses relatórios, é possível realizar o monitoramento dessas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti nesses ambientes”, afirmou a sanitarista Josielen Amorim, coordenadora do GTI/FVS-AM.

    Adesão

     Das 1.217 brigadas em funcionamento, 1.034 estão em instituições públicas e privadas na capital do estado, sendo 235 em escolas estaduais, 136 em instituições estaduais e federais, 254 em Unidades Básicas de Saúde (UBS) e 409 em escolas municipais. Os demais 183 programas de brigadas ativos estão no interior do estado.

    Com a pandemia de Covid-19 e a necessidade de isolamento e distanciamento social como medida de enfrentamento ao novo coronavírus, as visitas em estabelecimentos e instituições que buscam aderir ao programa foram suspeitas, mas retornaram no último mês de março, quando 24 instituições já foram visitadas.

    “O objetivo é que todo imóvel não residencial, como igrejas, agências bancárias, escolas e shoppings, tenham o programa implantado e atuante. Mesmo com o cenário da pandemia de Covid-19, não podemos esquecer do Aedes aegypti, pois as arboviroses também podem matar”, alertou a coordenadora do GTI.

    Cenário 

    Dados parciais do Departamento de Vigilância Epidemiológica da FVS-AM (DVE/FVS-AM) apontam para o registro de 4.379 casos notificados de dengue; 34 casos notificados de chikungunya; e 32 casos de notificações de zika até o fim de março. Os dados constam no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde.

    *Com informações da assessoria