Fonte: OpenWeather

    Cheia amazônica


    Moradores de Manacapuru são afetados com inundação severa

    O rio Solimões, que banha o município, já atingiu a cota de inundação severa e prejudica moradores da região

     

    Moradores já começaram a construir pontes sobre o rio
    Moradores já começaram a construir pontes sobre o rio | Foto: Divulgação

    MANACAPURU (AM) - O rio Solimões, que banha o município de Manacapuru (distante 80 quilômetros de Manaus), atingiu a cota de inundação severa, de acordo com os dados do Serviço Geológico do Brasil (CPRM). O rio chegou a 19,62m, fazendo com que os moradores se preparem para uma intensa cheia no município. 

    A cidade é a segunda a atingir a marca, logo depois de Itacoatiara (distante 280km da capital), que chegou onde o nível do rio Amazonas está em 14,49m, tendo ultrapassado 29cm da cota de inundação severa.

    De acordo com a pesquisadora do CPRM, Luna Gripp, os rios estão subindo acima do nível normal e que se compara aos anos de intensas cheias. “Na região próxima a Manaus, os rios continuam subindo numa velocidade acima do normal observado nessa época do ano", conta Gripp. 

    Em um levantamento feito pelo CPRM na segunda-feira (26), até às 6h30, o nível do rio Solimões, que banha o município, estava em 19,59m. Na atualização seguinte, às 6h45, a cota de inundação severa, de 19,60m, foi atingida pelo rio. E na última atualização, o rio estava em 19,62m, 2 centímetros acima da cota. 

    Os moradores de Manacapuru já iniciaram a construção das marombas - assoalhos feitos de madeira que ajudam as pessoas a se locomoverem sobre o rio - pois a cheia já atinge as casas dos habitantes do município.

    A agricultora Alcineila Ferreira do Nascimento, de 38 anos, moradora de Ajaratubinha, zona rural de Manacapuru, conta que não está sendo fácil lidar com a situação, pois acaba afetando seu sustento.

    "Está sendo bem difícil. Não tem como se adaptar com essa situação e todos os anos perdemos plantações. Além de que temos que dar um jeito para conseguir subir a casa, pois não temos nenhuma ajuda, ainda perdemos o nosso ganha-pão.", conta Alcineila.

     

     

    A moradora conta que a cheia atingiu suas plantações, seu principal modo de sustento
    A moradora conta que a cheia atingiu suas plantações, seu principal modo de sustento | Foto: Acervo pessoal/Alcineila Ferreira

    A  agricultora ainda relata que a água já estava chegando na cintura dela e que terminou de subir a casa hoje, pois não tinha como  continuar como estava. "Terminamos de subir a casa hoje, pois já estava chegando na cintura. Só não perdemos nenhum eletrodoméstico, porque sempre damos um jeito de não estragar", conta a moradora.

     

    Registros feitos por uma moradora
    Registros feitos por uma moradora | Foto: Acervo pessoal/Alcineila Ferreira

    Anteriormente, a previsão do CPRM era que o rio atingiria 20,27m em média, no entanto, devido a velocidade que o rio está enchendo, a possibilidade é que chegue a 21,20m, com 90% de confiança.


    Parintins já atingiu a marca de cheia histórica

    O município de Parintins (369km de distância de Manaus), banhado pelo rio Amazonas, atingiu a marca histórica de 2009, considerada a maior cheia do município, chegando a 8.9m. É o mesmo nível do mesmo período de 2009. 

    As áreas que estão sendo atingidas, são em locais baixos do município. E na zona rural, as áreas das várzeas. O município já está em estado de alerta e pode entrar em estado de emergência. 

    Leia mais: 

    Chuvas deixam Amazonas em estado de atenção

    Cheia: operação da prefeitura vai beneficiar 4 mil famílias em Manaus

    Manaus terá em 2021 a sétima cheia severa em dez anos, aponta pesquisa