Fonte: OpenWeather

    Saúde


    Conselho analisa custos para ampliação da Rede de Saúde Bucal no AM

    Em relação aos custos, existe a previsão de uso de R$ 150 milhões em recursos federais para implantação de dois CEOs em Manaus

     

    s custos com o pagamento de pessoal estão previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA)
    s custos com o pagamento de pessoal estão previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) | Foto: Divulgação/ SES-AM

    Amazonas - O Conselho Estadual de Saúde do Amazonas (CES-AM) realizou reunião ordinária virtual, nesta terça-feira (27), onde analisou o impacto financeiro para ampliação da Rede de Saúde Bucal nos 62 municípios do estado. O cirurgião-dentista Ricardo Rabello, membro da Coordenação Estadual de Saúde Bucal, foi quem apresentou a planilha de custos para ampliação prevista para acontecer até 2022.  

    O plano de ampliação da Rede de Saúde Bucal no Amazonas já havia sido aprovado pelos membros do CES, só faltava a apresentação da planilha de custos. Dentro deste planejamento existem diversas frentes como: educação em saúde bucal nos municípios, implantação de novos Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) e capacitação dos servidores.  

    Em relação aos custos, existe a previsão de uso de R$ 150 milhões em recursos federais para implantação de dois CEOs em Manaus, sendo R$ 75 milhões para cada. Para manter o funcionamento desses centros ainda existem R$ 928,2 mil reais anuais em recursos federais. Esses CEOs podem receber esses valores se aderirem aos programas Rede de Cuidados a Pessoas com Deficiência (RCPD), de Melhoria e Qualidade das Ações do CEO (PMAQ-CEO) e de Incentivo de Atendimento Especializado a População Indígena (IAEPI).  

    Os custos com o pagamento de pessoal estão previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA), não sendo necessário realizar deslocamento de recursos. A previsão de custeio dos dois CEOs por ano será de R$ 1,16 milhão, sendo que R$ 929,2 mil podem ser cobertos pelo governo federal e o Estado pode complementar com R$ 234,7 mil. 

    Esse plano prevê a ampliação em todo o estado, não somente em Manaus, com a possibilidade de implantação de CEOs em municípios polos do interior, que ainda não possuem uma unidade dessa especialidade. O estado possui oito municípios com CEOs.  

    Após a aprovação da planilha, o processo será analisado pela Câmara Técnica do conselho. No entanto, a política de ampliação do plano já está aprovada, conforme afirmação do Secretário Executivo de Assistência da Capital, da SES-AM, Jani Kenta, que presidiu a reunião ordinária desta terça-feira.   

    Recomendação 

    O CES ainda deliberou sobre a Recomendação recebida do Conselho Nacional de Saúde (CNS), para realizar o monitoramento do estoque de medicamentos que compõem o kit intubação e, também, a quantidade de oxigênio. 

    No Amazonas, com os casos em baixa, o estoque é satisfatório para os próximos 30 dias e aquisições já foram feitas, no aguardo da entrega e mais estão sendo efetuadas.  

    O Conselho Estadual de Saúde decidiu que irá informar, a cada 15 dias, como está o estoque dos medicamentos e de oxigênio, com dados fornecidos pelos municípios. 

    Conselho 

    O CES-AM é um colegiado, cuja finalidade e objetivos básicos são o estabelecimento, acompanhamento, controle e avaliação da política estadual de saúde. O conselho é composto por membros da SES-AM, prestadores de serviço, representações de trabalhadores, como sindicatos e entidades de classe, além de associações e movimentos sociais, religiosos, indígenas e outros representantes dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).


    *Com informações da assessoria

    Leia Mais

    Covid-19: falta de higiene bucal pode agravar os efeitos da doença

    Deputada propõe Projeto de Lei sobre saúde mental na Aleam

    Odontólogo formado na UEA publica obra de educação em saúde bucal