Fonte: OpenWeather

    Cheia dos rios


    Comitê cria estratégias para enfrentar cheia histórica no Amazonas

    Comitê Especial de Enfrentamento das Cheias realizou uma visita técnica no Centro de Manaus para avaliar a situação da área e traçar estratégias para diminuição de prejuízos na localidade

     

    A cheia deste ano pode ultrapassar a cheia histórica de 2012
    A cheia deste ano pode ultrapassar a cheia histórica de 2012 | Foto: Divulgação

    Manaus - Com intuito de diminuir danos e prejuízos que podem ser causados pelo que pode ser uma das maiores enchentes dos últimos anos, integrante do Comitê Especial de Enfrentamento das Cheias Fluviais do Município realizaram uma visita técnica no Centro de Manaus, para avaliar a situação da área e traçar estratégias para diminuição de prejuízos na localidade. 

    O prefeito David Almeida já declarou situação de emergência na capital devido a cheia e o decreto terá vigência de 90 dias.

    A visita técnica ocorreu na manhã desta sexta-feira (7), às 9h, na rua dos Barés, no Centro. Data em que a cota do Rio Negro atingiu a marca de 29 metros e 33 centímetros, segundo a Defesa Civil de Manaus.

    As equipes percorreram pontes já instaladas na região e conversaram com comerciantes prejudicados pela cheia para ouvir relatos e buscar soluções que diminuam prejuízos e continuem mantendo a possibilidade de tráfego de pessoas no local. 

    Conforme Marcos Rotta, vice-prefeito de Manaus e titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), o comitê especial e formado por quase todas as secretarias do município que juntas estão atuando no enfrentamento à cheia.

      "Aqui na rua dos Barés é um exemplo do que ocorre todos os anos durante a cheia. Hoje estamos aqui com secretários e também convidamos a Águas de Manaus para que nos ajudem em soluções sanitárias. A Defensoria Pública do Estado também vai nos ajudar neste comitê dando o suporte necessário. Nesta semana, o prefeito Davi Almeida esteve em reunião com o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, em Brasília (DF), e conseguiu apoio federal ao município, para atender as 8.474 mil famílias que serão afetadas pela subida do rio Negro", explicou Rotta.  

    Rotta enfatizou ainda que as visitas técnicas iniciaram pelo Centro, mas que as equipes do comitê irão percorrer vários bairros da cidade que estão alagados, além de áreas rurais que possuem agricultores prejudicados. Estudos apontam que a cheia deste ano pode ultrapassar a cheia histórica de 2012 e chegara a cota de 30 metros do Rio Negro. 

      "É um ano difícil e de cheia, mas só temos uma saída que é unir esforços e trabalhar. Essas pessoas têm pressa e nós temos consciência da velocidade que temos que ter em atuar. Todas as previsões apontam que vamos ultrapassar da cota de 30 centímetros", declarou Rotta.  

    O tenente William Dias, chefe da Casa Militar Municipal, enfatizou que a prefeitura já está construindo passarelas com base nos estudos feitos em parceria com a secretarias. Pelo menos 1600 áreas de risco já foram identificadas na capital e 5 mil famílias devem ser atingidas pela cheia.

    "Já construímos pelo menos 400 metros de ponte no Mauazinho, na Zona Leste e 150 metros de ponte no bairro São Jorge, na Zona Oeste de Manaus. A população que estiver sendo prejudicada em locais alagados pode entrar em contato conosco por meio do número 199 que vamos repassar a demanda para que as equipes realizem visitas técnicas. Já trabalhamos inclusive com a possibilidade de retirar pessoas de locais de risco e tudo isso será avaliado em parceria com nossas secretarias", concluiu Dias. 

    Leia mais 

    Amazonas sofrerá "a maior cheia dos últimos 100 anos", alerta governo

    Pandemia e cheia causam dor de cabeça para trabalhadores do Centro

    Auxílio Enchente de R$ 300 ajudará famílias afetadas pela cheia no AM