Fonte: OpenWeather

    Saudade e revolta


    "Filhos do feminicídio" falam da dor e revolta no Dia das Mães no AM

    No Amazonas, somente no primeiro quadrimestre deste ano, foram registrados seis assassinatos de mulheres decorrentes de violência doméstica

     

    Só em 2021, o Amazonas já registrou seis feminicídios
    Só em 2021, o Amazonas já registrou seis feminicídios | Foto: Reprodução

    MANAUS -  Nunca mais sentir o afeto materno, nunca mais receber os conselhos da mãe, nunca mais ouvir a voz de quem lhe deu a vida. Esses são os dramas diários pelos quais passam os órfãos, mas para os filhos que tiveram as vidas devastadas pelo feminicídio, a revolta e o sofrimento alcançam proporções incalculáveis. Para eles, há pouco o que se comemorar neste domingo (9).

    Vítimas invisíveis dos feminicídios, crianças e adultos são obrigados a conviverem com a saudade, a dor e a indignação de terem perdido suas mães em crimes brutais. No Amazonas, somente no primeiro quadrimestre deste ano, foram registrados seis assassinatos de mulheres decorrentes de violência doméstica, segundo levantamento realizado pelo EM TEMPO.

    A diarista Verônica Sena dos Santos, de 37 anos, começaria a trabalhar em um novo emprego na última segunda-feira (3), mas não deu tempo. Ela foi esfaqueada 12 vezes pelo próprio marido, Whilso de Carvalho Santana, de 38 anos, no dia 1º deste mês. O crime foi cometido na casa onde eles moravam, localizada no beco José Antunes, Morro da Liberdade, Zona Sul de Manaus.

     

    Verônica foi assassinada pelo próprio marido
    Verônica foi assassinada pelo próprio marido | Foto: Reprodução

    Para o assassino, arrancar a vida da diarista não foi o bastante. Ele queria também tirá-la a dignidade, mesmo depois de morta, tentou queimar o corpo da vítima. No entanto, uma nuvem de fumaça surgiu sobre o imóvel, chamando a atenção dos vizinhos. A princípio, Whilso conseguiu fugir, mas a polícia o capturou.

    Ela deixou três filhos jovens. Ao EM TEMPO, o filho mais velho, Vanderson Matheus, de 22 anos, narrou a dor de ter perdido a mãe, em um crime tão brutal, pouco mais de uma semana antes do Dia das Mães. Ele começou o emocionante relato falando sobre a admiração e a ótima relação que ele e os irmãos sempre mantiveram com a diarista.

      "Nós tínhamos uma relação extraordinária, eu podia falar tudo para ela, as coisas mais íntimas, que ela sempre me aconselhava e me apoiava. Eu e os meus irmãos somos testemunhas das lutas diárias da nossa mãe, ela sempre foi uma pessoa muito trabalhadora, honesta e digna. Sempre fez tudo o que pôde por nós", afirmou.  

    Ainda muito abalado pela trágica perda da mãe, Vanderson também desabafou sobre o trauma pelo qual passou. Ele deseja que o ex-padrasto e assassino de Verônica pague pelo crime que cometeu.

    "Minha mãe se foi de uma maneira horrível e dolorosa, nunca imaginei que isso fosse acontecer um dia, o que me conforta um pouco é que o covarde foi preso e irá pagar por tudo que fez, porque a vida da minha mamãe não vai mais voltar, seus sonhos e sua vida foram interrompidos para sempre", disse.

    Bebês que jamais conhecerão quem lhes deram a vida

    Em São Gabriel da Cachoeira, a 853 quilômetros de Manaus, o bebê Pedro, de apenas 1 ano e onze meses, nunca terá a chance de conversar com a mãe, a indígena Anazilda Cordeiro Barra, assassinada no dia 7 de fevereiro, aos 20 anos. Ela foi espancada até a morte pelo marido e pai de Pedro, o soldado do Exército Celésio Marques Resende, de 25 anos. O militar foi preso um dia após ter cometido o feminicídio.

     

    Anazilda foi morta pelo companheiro aos 20 anos
    Anazilda foi morta pelo companheiro aos 20 anos | Foto: Reprodução

    No dia em que foi morta pelo companheiro, os vizinhos encontraram a jovem, já sem vida, amamentando o filho na residência onde eles moravam. 

     

    Só em 2021, pelo menos dois bebês ficaram órfãos por causa de feminicídios
    Só em 2021, pelo menos dois bebês ficaram órfãos por causa de feminicídios | Foto: Reprodução

    Quem também jamais poderá abraçar a mãe é a filha da jovem Hellen Lima da Costa. A bebê de apenas 1 anos foi marcada por uma tragédia logo no início da vida. 

    Hellen foi morta pelo próprio marido, Josué Ferreira Marques, de 25 anos, no município de Anori, a 194 quilômetros de Manaus. Ele confessou que matou a companheira por ciúmes.

    Mais casos de feminicídio no Amazonas em 2021

    Outro crime brutal de feminicídio ocorreu na zona rural de Manacapuru, a 68 quilômetros da capital amazonense, no dia 19 de janeiro. Luciana Sales da Silva, de 27 anos, foi esfaqueada e enforcada pelo companheiro, de 21 anos, no sofá da própria, no ramal Acajatuba. 

    Asfixiada até a morte. Foi assim que a industriária Viviane Araújo de Sena, de 34 anos, morreu na noite do dia 18 de fevereiro, no bairro Mauazinho, na zona Leste de Manaus. O esposo da vítima, identificado como Francisco Antônio Lima da Silva, de 29 anos, foi preso apontado como principal suspeito do crime.

    Segundo a polícia, ele chegou a afirmar para uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel Urgente (Samu) que a mulher havia sido vítima da Covid-19, mas o assassinato acabou sendo descoberto.

    Com um tiro no olho direito, Adriele Bruno da Silva, de 23 anos, foi assassinada pelo ex-companheiro Paulo José de Aguiar, no dia 18 de janeiro, na comunidade Mutirão do Purupuru, na zona rural do Careiro Castanho, a 102 quilômetros de Manaus. O crime foi motivado por ciúmes.

    Denúncias podem salvar vidas

    A delegada Débora Mafra, responsável pela Delegacia da Mulher, aconselha que todas as mulheres que se sentirem ameaçadas devem registrar o boletim de ocorrência na unidade policial imediatamente. Só assim, poderá ser solicitada à justiça a medida protetiva. 

    “Nós temos visto que muitas mulheres têm rompido o ciclo de violência doméstica, indo denunciar. Quando a gente fala que houve o aumento da violência doméstica, na verdade houve o aumento das denúncias, dessa forma encerrando a violência e o feminicídio. Então uma denúncia, em muitos casos, pode salvar a vida de uma mulher", destacou Mafra.

    Leia mais

    Advogado que agrediu ex-namorada é suspenso pela OAB-AM

    Mulher acusa ex-namorado de espancamento no Centro de Manaus

    PM é preso após tentar matar ex-mulher na frente dos filhos em Manaus


    Comentários