Fonte: OpenWeather

    Amazonas


    Manaus Moderna recebe ponte para amenizar impacto da cheia

    A Defesa Civil iniciou neste fim de semana cinco construções de pontes. Saiba mais sobre a cheia do rio Negro:

     

    Vice-prefeito e secretário municipal de Infraestrutura, Marcos Rotta
    Vice-prefeito e secretário municipal de Infraestrutura, Marcos Rotta | Foto: Osmar Neto/Seminf

    Manaus (AM) - A cheia do rio Negro avança sobre o centro de Manaus causando impacto ao comércio da orla. Para agilizar os trabalhos, o vice-prefeito e secretário municipal de Infraestrutura, Marcos Rotta, acompanhou na manhã desta segunda-feira, 10, o andamento da construção de mais de 400 metros de pontes na área da feira Manaus Moderna, Centro, além de vistoriar a balsa onde a prefeitura vai realocar aproximadamente 200 feirantes.

    Rio Negro já está com 29,47 metros

    Com a subida do rio Negro, que nesta segunda atinge a cota de 29,47 metros, a balsa servirá como feira provisória, durante o período de cheia na capital, que deve superar os 30 metros, de acordo com a previsão do Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

     

    | Foto: Osmar Neto/Seminf

    Leia maisManaus entra em situação de emergência devido à cheia do Rio Negro

    “Estamos aqui empreendendo uma ação inédita, determinada pelo prefeito David Almeida, que, além de garantir um espaço mais agradável para permissionários e clientes, também assegura a segurança de todos os frequentadores desta feira, que é, talvez, a mais importante da nossa cidade e já sofre os impactos da cheia”, afirmou Marcos Rotta, que também é presidente do Comitê Especial de Enfrentamento das Cheias Fluviais do Município.

    A Casa Militar, coordenando a Defesa Civil do Município, iniciou neste fim de semana cinco construções de pontes, que já somam mais de 600 metros construídos em dois dias, dentre eles na rua dos Barés, beco Porto 7 e Manaus Moderna, no Centro; beco das Flores, na Aparecida; beco Ana Nogueira, José de Inocêncio e Ajuricaba, no Educandos.

    Novidade

     

    | Foto: Osmar Neto/Seminf

    A criação desta “feira flutuante” é uma ação inédita na cidade e irá substituir a antiga medida que transferia os feirantes para a rua, o que criava um ambiente insalubre e desconfortável a quem utilizava a feira.

    Pensando no período pandêmico, que tem causado impacto na economia, e com o evento natural causado pela subida dos rios na região, a Prefeitura de Manaus irá fazer uma feira provisória em uma balsa, para diminuir os impactos causados aos 200 comerciantes que têm boxe no local.

    “Nós iremos transferir o setor de peixe e carne para uma balsa ao lado da feira. Antes, os feirantes eram colocados no entreposto da rua, o que ocasionava o acúmulo de sujeira. Pensando na higienização, vamos realocá-los para a balsa, onde teremos como controlar a higienização. O prefeito sempre teve um olhar pela feira, e é uma determinação que façamos o melhor pelos comerciantes”, ressaltou o titular da Secretaria Municipal de Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (Semmac), Renato Júnior.

    Mais um ano em que a cheia do rio surpreende e pode ser a maior do século. 

    *Em Tempo com informações da assessoria

    Leia mais:

    Amazonas sofrerá "a maior cheia dos últimos 100 anos", alerta governo