Fonte: OpenWeather

    Denúncia


    Família entra na Justiça contra Unimed para tratar filha autista

    Victoria Christina, de 17 anos, precisa realizar a cirurgia da troca de bateria do gerador VNS que a mantém viva

    A família procurou a Justiça após várias tentativas de acordo com a Unimed para a realização da troca do aparelho | Foto: Reprodução

    MANAUS - Victoria Christina Rodrigues Nobre, de 17 anos, depende de uma cirurgia para se manter viva. A menor foi diagnosticada com paralisia cerebral, epilepsia e autismo atípico aos sete meses. Para auxiliar no tratamento e evitar novas crises, Victoria utiliza desde 2018 um implante de aparelho VNS, uma espécie de marcapasso que envia sinais elétricos diretamente para a coluna, porém, o aparelho está sem bateria. A advogada da família entrou com uma ação na Justiça no dia 21/05, e no mesmo dia foi concedida medida liminar com o prazo de 48h, obrigando que a empresa realizasse o procedimento cirúrgico.

    A família procurou a Justiça após várias tentativas de acordo com a Unimed para a realização da troca do aparelho. "A família observou que a bateria do aparelho estava acabando, através do monitoramento constante que realizam, estão em contato com o plano de saúde desde Março de 2021, antes que acontecesse o término da bateria mas, não obtiveram retorno. O que esperamos é que a empresa pelo menos se manifeste e cumpra a determinação judicial, pois a vida da Victoria depende dessa operação. Caso ela tenha uma crise mais grave ela pode morrer!", enfatizou a advogada da família.

    Tratamento

    Diagnosticada com paralisia cerebral, epilepsia e autismo atípico por indícios de baixa no desenvolvimento neuropsicomotor (DNPM) normal, em 2009, Victoria Christina foi avaliada por médicos da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) para tentativas de tratamento medicamentoso, contudo nenhum dos medicamentos surtiram efeito, pois as crises eram diárias, sérias e longas, o que a incapacitava de realizar as atividades mais simples do dia.

    Em julho de 2018, em busca de novos tratamentos, foi submetida a uma cirurgia para a realização de um implante de aparelho VNS, realizada pelo atual plano de saúde. O implante para "a Terapia VNS" usa um gerador, pequeno aparelho médico, que através de um condutor envia minúsculos impulsos elétricos ao eletrodo ligado ao nervo vago esquerdo situado no pescoço”. A família explica que são esses micros impulsos elétricos, gerados automaticamente, 24 horas por dia, 7 dias por semana, que auxiliam na diminuição da quantidade, e no tempo de duração das crises. 

    Como forma de mostrar a evolução do quadro de saúde de Victoria Christina, a família criou um perfil nas redes sociais e que pode ser acompanhado pelo @mundodevivinobre

    Leia Mais

    Pandemia impacta vida de pessoas com autismo e requer mudanças

    Abril Azul: Manaus tem projeto focado em crianças autistas