Fonte: OpenWeather

    Defesa Civil


    Após 'repiquete', Rio Negro desce 1 centímetro e marca 30,01 metros

    Na última semana, o Rio Negro havia passado pelo fenômeno do "repiquete' e subiu três centímetros

     

    A demora da descida do rio ainda mostra que Manaus e zonas ribeirinhas, além de vários municípios do interior do Amazonas permanecem em situação de emergência.
    A demora da descida do rio ainda mostra que Manaus e zonas ribeirinhas, além de vários municípios do interior do Amazonas permanecem em situação de emergência. | Foto: Divulgação

    Manaus - O Rio Negro já apresenta os sinais da vazante prevista pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Nesta segunda-feira (21), o nível das águas desceu um centímetro, registrando 30,01 metros, o que confirma um processo lento, de acordo com a previsão de pesquisadores.

    A pesquisadora do Serviço de Alerta Hidrológico do Amazonas, que pertence ao órgão, Luna Gripp, confirmou que alguns rios começam a apresentar recessão e variações pequenas. A princípio, o nível do rio começa a apresentar processo de vazante. Tanto subidas, quanto estabilizações e descidas na ordem de um centímetro, estão dentro da margem de erro.

    "Ou seja, esses três processos diferentes indicam que o rio está, praticamente, estável.  Se a gente imagina um rio de 50 metros como é o caso do rio Negro, dizer que ele subiu ou desceu 01 centímetros só, indica que está estável. Isso é muito característico do processo de finalização da enchente. Isso significa que isso representa que o nível do rio não deve voltar a subir ao longo do ano, pelo menos não para esse evento”, disse.

    Sobre a vazante, a pesquisadora completou que a descida das águas é sempre gradual e lenta. "A probabilidade é que comece a baixar um centímetro por dia, depois dois, depois três, isso vai variando, lentamente. Apesar disso começar na próxima semana é importante ressaltar que a retomada dos processos normais, com os rios voltando para sua calha principal e deixando de ter os impactos que são observados na população, ela vai ser de forma lenta e gradual. Não é de uma hora para outra”, afirma.

    Emergência

    A demora da descida do rio ainda mostra que Manaus e zonas ribeirinhas, além de vários municípios do interior do Amazonas permanecem em situação de emergência. Na capital, a Prefeitura, desde o início do ano, além da construção, revitalizou mais de 2 mil metros de pontes em bairros como Praça 14 de Janeiro, Alvorada e Colônia Santo Antônio, além da entrega dos cartões de auxílio da “Operação Cheia 2021”, com aluguel, que totalizam R$: 500,00, sob determinação do Prefeito David Almeida.

    No último sábado (19), o governador do Amazonas, Wilson Lima esteve no município de Manacapuru (distante 68 quilômetros de Manaus), fazendo a entrega de cartões do ‘Auxílio Enchente Estadual’, com agentes da Defesa Civil do Amazonas e da Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas). 

    Leia mais

    Pobreza nas cheias do Amazonas: "se chove, oro para Deus fazer parar"

    Em Manaus, mais de 2 mil m de pontes foram revitalizados após cheia

    Veja curiosidades sobre as cheias que marcaram a história de Manaus