Fonte: OpenWeather

    Cheia recorde


    Moradores de Manacapuru reclamam falta de assistência da prefeitura

    O Governo Federal repassou a Manacapuru mais de R$ 1,9 milhão para auxiliar famílias afetadas pela cheia, mas moradores reclamam da pouca assistência por parte da prefeitura local

     

    Famílias têm reclamado da falta de assistência da Prefeitura Municipal de Manacapuru
    Famílias têm reclamado da falta de assistência da Prefeitura Municipal de Manacapuru | Foto: Divulgação

    Manacapuru – Para auxiliar famílias afetadas pela cheia do Rio Negro e do Solimões, o Governo Federal enviou recursos para três municípios do Amazonas, que se encontraram em situação emergencial. Manacapuru (a 98,8 quilômetros de Manaus) recebeu a maior parte, chegando a mais de R$ 1,9 milhão.

    No entanto, famílias prejudicadas pela cheia do Rio Solimões no município, de 98 mil habitantes, têm reclamado da falta de assistência da Prefeitura Municipal de Manacapuru. Esse é o caso da professora Joana Ferreira, de 35 anos, que questiona para onde foi a verba federal, se a população não está sendo atendida.

    "

    Eu não vejo a prefeitura fazendo nada, além de construir pontes de madeira, estas que são madeiras apreendidas e doadas. As famílias estão sendo prejudicadas, porque, algumas doações vêm de instituições, que solidarizaram com a situação. O apoio da prefeitura é quase inexistente "

    Joana Ferreira, Moradora de Manacapuru

     

    Quem vive na pele o drama de ver parte da casa embaixo d’água sem poder fazer nada, sabe como qualquer ajuda é bem-vinda nesses momentos. Há quase dez dias, Maria da Silva, 68, moradora de um dos bairros afetados, compareceu ao local onde a Defesa Civil do município realizava o cadastro para receber os R$ 300  do benefício.

    "

    É uma situação humilhante, porque a água interdita todo o funcionamento da casa. Não sou aposentada e não trabalho mais fora, só em casa. Estou esperando a visita do órgão, mas, até agora, nada. "

    Maria da Silva, Moradora de Manacapuru

     

    No entanto, Maria ainda aguarda a visita da equipe para verificação das condições da casa, o que não havia acontecido até o fechamento desta matéria.  Com o assoalho tomado pela água, a família não pode usar as pias e nem o vaso sanitário. 

    Maria ainda ressalta que, de todo o bairro afetado onde mora, só uma vizinha recebeu o auxílio. Como o nível do rio está baixando, ela diz ser um bom sinal, por outro lado, se a equipe da Defesa Civil for até sua casa, vai dizer que não será mais necessário receber a verba. “Parece que estão enrolando, porque essa é a sensação que eu tenho. E olha que moro em um dos bairros mais afetados”, lamenta a moradora.

     

    Além da assistência, o valor também foi destinado para a locação de barcos e lanchas
    Além da assistência, o valor também foi destinado para a locação de barcos e lanchas | Foto: Divulgação/Islânia Lima

    Recurso

    A proposta do recurso federal, enviado pela Defesa Civil Nacional em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) é justamente para as prefeituras atendidas providenciarem compras de kits de alimentação, limpeza, higiene pessoal e dormitório. Além da assistência, o valor também foi destinado para a locação de barcos e lanchas.

    Até o fechamento desta matéria, não houve prestações de contas por parte da assessoria da prefeitura, após ser contatada.

    *Os nomes dos personagens, profissões e as idades foram trocados, a pedido dos entrevistados


     Leia mais:

    Pobreza nas cheias do Amazonas: "se chove, oro para Deus fazer parar"

    Após 'repiquete', Rio Negro desce 1 centímetro e marca 30,01 metros

    Repiquete preocupa vendedores ambulantes do Centro de Manaus