Fonte: OpenWeather

    DESCASO PÚBLICO


    Gestão de Patrícia Lopes é alvo de críticas em Presidente Figueiredo

    Cidadãos votaram na candidata que prometia trazer melhorias à cidade, mas, passando alguns meses, moradores estão desesperançosos com a atual gestão de Presidente Figueiredo.

    Moradores cobram compromisso da prefeita para resolver os problemas da cidade | Foto: Divulgação

    Presidente Figueiredo (AM) - À frente da prefeitura de Presidente Figueiredo (a 119 quilômetros da capital) há sete meses, a gestão da prefeita Patrícia Lopes (MDB) tem sido alvo de críticas e reclamações de figueiredenses. Desesperançosos, os moradores esperavam mudanças, o “novo” na política do município, mas a falta de atenção aos problemas da cidade vem gerando apenas revolta nos cidadãos.

    Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Presidente Figueiredo tem cerca de 37 mil habitantes e ocupa a sétima posição econômica no Estado. Cidade turística, o município recebe centenas de visitantes todos os meses. Mesmo assim, a infraestrutura da região está péssima. Segundo os habitantes, falta iluminação em diversos bairros, as ruas estão esburacadas, praças, parques e espaços de lazer foram esquecidos e os pontos turísticos precisam de ações de revitalização.

    "

    O município vem enfrentando um problema de ruas esburacadas e outras sem asfalto. O bairro Galo da Serra vem sendo o mais prejudicado e é o maior bairro do município. Quando era candidata, a atual prefeita se comprometeu em resolver isso. Chegou 2021, assumiu a nova gestão e nada foi feito e nem apresentado projeto para melhorias das ruas. Só faz uma manobra de mídia muito grande, diz que estão trabalhando nas comunidades, nos ramais e que estão atendendo os moradores das áreas rurais. Já se passaram mais de 6 meses e o que vem sendo apresentado não convém com o dito nas redes sociais. "

    , disse um morador que optou por não se identificar

    O arquiteto Santiago Dlion denuncia a péssima qualidade das ruas do município. “Sou arquiteto e tenho uma obra em Presidente Figueiredo. Semanalmente, eu vou para lá e, o que acontece, é que eu não entendo a falta de estrutura naquela cidade. É uma cidade que tem um potencialmente turístico incrível, uma cidade que fica entre o trajeto de Manaus e Boa Vista. Mas tudo isso é falta de zelo do poder público”, afirmou o arquiteto.

     

    Ruas e avenidas estão com vários buracos e lama
    Ruas e avenidas estão com vários buracos e lama | Foto: AET

    A primeira impressão é a que fica

    Visitando Figueiredo, Francisco das Chagas Silva, de 49 anos, deparou-se com os problemas da cidade e se desapontou.

    "

    Essa é primeira vez que vim aqui na cidade, e fiquei decepcionado, pois a falta de infraestrutura acaba com a cidade. Eu já estava planejando vir aqui de novo sem ao menos ter conhecido, trazer novamente a minha família para cá. Porém, as ruas estão esburacadas, a cidade não está bonita e, pelo visto, não está preparada para receber as pessoas. Eu esperava muito mais daqui. "

    , disse Francisco das Chagas Silva

    Falta de iluminação

    O município também se encontra sem iluminação pública, o que gera insegurança para os moradores. As ruas do bairro Galo da Serra 1, localizado na parte superior da cidade, estão praticamente sem nenhuma iluminação. Nessa região passam diversas pessoas diariamente, e muitas delas são vítimas dos assaltantes.

    A acadêmica de enfermagem Fabiana Reis, de 31 anos, relata que já foi assaltada enquanto voltava da faculdade. “Eu nunca fui assaltada e não esperava que um dia isso pudesse acontecer comigo aqui no município. Tentei ver o homem, mas não consegui, porque a rua estava escura”, lembra a universitária.

    Espaços de lazer abandonados

      A equipe de reportagem esteve nas praças públicas frequentadas por moradores. Sem reparos ou obras de revitalização, a Praça da Cultura, no Centro da cidade, e a Praça do Fórum, localizada no bairro Morada do Sol, encontram-se depredadas, com a grama alta e sujas.

    Os espaços de lazer abandonados prejudicam os moradores. A Praça da Cultura é o espaço de lazer mais visitado da cidade, onde há lanchonetes, restaurantes, sorveterias e comércios. Porém, o local está com os bancos quebrados, o chão e as paredes precisando de pintura e, segundo moradores, quando chove, o espaço de lazer fica alagado.

    Já a Praça do Fórum, apesar de não ter comércios ao redor, é bastante frequentada, principalmente, por pessoas que praticam exercícios físicos.

    "

    Com essa pandemia que estamos vivendo, as praças como essa do Fórum estão tendo mais visitas porque são locais diários para as pessoas caminharem, e às vezes com o problema das calçadas quebradas, temos que ir para a rua. Eu já torci meu pé uma vez pisando nessas calçadas. "

    disse a corredora, Marcela dos Santos Medeiros, de 32 anos

    Entre os espaços públicos abandonados pela atual gestão encontra-se o Parque da Corredeira do Urubuí, o mais famoso ponto turístico da cidade.

     

    Parque do Urubuí está com a infraestrutura que deixa a desejar
    Parque do Urubuí está com a infraestrutura que deixa a desejar | Foto: AET

    “Tá tudo abandonado, e parece que não há nenhum interesse em atrair, novamente, a movimentação de turistas, que já está em baixa por causa da pandemia que estamos vivendo. O problema é que nós precisamos de renda, e sem visitantes, não há como conseguir o pão de cada dia”, disse um comerciante de 73 anos, que trabalha no espaço há cinco anos, e preferiu não ser identificado.

    Lixão a céu aberto

     

    O lixão está prejudicando o cotidiano de vários moradores
    O lixão está prejudicando o cotidiano de vários moradores | Foto: AET

    Destinado ao despejo irregular de resíduos sólidos, localizado no quilômetro 4, estrada que liga Presidente Figueiredo ao Distrito de Balbina, o lixão foi aberto pela própria prefeitura municipal e prejudica há anos os moradores.

    A população da comunidade Nova Aliança reclama do mau cheiro, dos restos de alimentos jogados pelo chão.

    “Nunca tivemos atenção do poder público. Eu moro aqui há muito tempo e nunca vi prefeito aqui. Graças a Deus, eu não passo necessidade, porém, conheço muitas pessoas que chegam até a revirar os lixos”, disse Francisco José, de 50 anos, morador da região.

    O Em Tempo solicitou informações da Prefeitura sobre os problemas apresentados, mas não obteve nenhuma posição até o momento.

    Leia mais