Fonte: OpenWeather

    Saudade


    Encontro promove alegria para idosos no bairro Aparecida

    Centro Estadual de Convivência do Idoso (CECI) do local reúne alunos e profissionais como forma de fortalecer o vínculo, afetado pela pandemia

    Encontro serviu para fortalecer amizade entre idosos do CECI | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - Não há dúvidas de que a pandemia da Covid-19 colocou à prova a capacidade dos amazonenses de resistir ao isolamento. Em Manaus, essa realidade afeta, sobretudo, os idosos, que tomaram cuidado redobrado para não serem vítimas da doença. Máscara, álcool em gel e interrupção de atividades diárias foi, durante dois anos, a nova rotina da terceira idade.

    Os idosos do Centro Estadual de Convivência do Idoso (CECI), por exemplo, do bairro da Aparecida, na Zona Sul da capital, tiveram que se encontrar apenas de forma virtual, neste período.  

     

    Alunos se reencontram, após dois anos de isolamento social.
    Alunos se reencontram, após dois anos de isolamento social. | Foto: Divulgação

    Entretanto, com o avanço da vacinação na capital amazonense e a diminuição dos casos de Covid-19, alunos e professores se reuniram mais uma vez, com um único objetivo: matar as saudades e falar o que representa o CECI em suas vidas.

    O encontro ocorreu recentemente, como forma de celebrar a semana nacional do idoso, que teve início nesta segunda-feira (27). A emoção falou mais alto no coração dos alunos dos 07 grupos de convivência, que compõem o quadro de atendidos pelo centro. Este é o caso do aposentado João Bosco, 61. Ele faz parte do grupo "Guerreiros" e sua trajetória de vida se confunde com a própria história do local. 

    “O Centro representa, para mim, tudo. Ele fez 13 anos e eu fiz junto com ele, porque estou aqui todo esse tempo. Faço tudo aqui dentro. Dança, teatro, coral, tudo que você imagina de cursos, eu faço aqui. É minha segunda casa. Foi aqui que eu conheci até a minha esposa e pedi ela em casamento”, relata com alegria.

     

    O aposentado João Bosco conheceu até a esposa no CECI, nestes 13 anos de atividades
    O aposentado João Bosco conheceu até a esposa no CECI, nestes 13 anos de atividades | Foto: Divulgação

    Ana Gama, de 75 anos, ficou distante do CECI, desde o início da pandemia. Ela conta que, em dez anos, conseguiu muitos avanços em sua saúde participando das atividades. 

    “Apesar de não termos retornado de uma vez, estamos matando a saudade. Faz dois anos que a gente não vinha aqui e dez que estou no coral, que passei a vida nele. Ganhei lindas medalhas e me sinto muito feliz. Hoje, sou uma cantora e me sinto muito bem. Isso, para mim, foi uma felicidade muito grande, aprendi muito. A gente sente muita falta, muita saudade dos amigos. Eu não tinha nada que fazer dentro de casa. Que felicidade que eu estou aqui! Você não imagina”, disse.

     

    Ana Gama, 75 anos, comemora a vitória como participante do coral do CECI, ao lado dos amigos
    Ana Gama, 75 anos, comemora a vitória como participante do coral do CECI, ao lado dos amigos | Foto: Divulgação

    Desafios 

    Ao todo, o CECI da Aparecida conta com sete grupos de convivência. A diretora do centro, Aparecida Lilia Duarte Albuquerque, falou dos desafios nesses dois anos de pandemia.

    “Nós trabalhamos de forma remota e, após todo esse tempo, estamos nos encontrando pessoalmente com nossos técnicos, psicólogos, assistentes sociais, pedagogos e educadores sociais. Estávamos trabalhando por meio de vídeos no Instagram e facebook. Um verdadeiro desafio, junto dos idosos”, afirma.

    Sobre o tão sonhado encontro com a terceira idade, Lilia Albuquerque não escondeu a alegria de ver o sorriso dos alunos.

    “A importância do fortalecimento dos vínculos que nós executamos enquanto projeto principal é ver os idosos interagindo, trabalhando a qualidade de vida e prolongando ela, podendo ter autonomia, ir e vir e tomar suas decisões. Esse é o objetivo principal. Após dois anos, estamos nos encontrando, para que possamos informá-los que, muito em breve, nós poderemos voltar à normalidade", ressalta.

     

    A diretora do CECI, Lilia Albuquerque, falou dos desafios durante a pandemia para as atividades do centro
    A diretora do CECI, Lilia Albuquerque, falou dos desafios durante a pandemia para as atividades do centro | Foto: Divulgação

     

    Encontro serviu para fortalecer amizade entre idosos do CECI
    Encontro serviu para fortalecer amizade entre idosos do CECI | Foto: Divulgação

    Responsabilidade

     

    A felicidade de quem não via amigos há dois anos
    A felicidade de quem não via amigos há dois anos | Foto: Divulgação

    O encontro, seguindo os protocolos se segurança, foi apenas uma forma de confraternizar entre os idosos, nestes dois anos em que as atividades não podiam ser feitas de forma presencial. Vale lembrar que elas ainda não retornaram, nesta modalidade.

    Em Manaus, os Centros de Convivência do Idoso (CECI) têm prestado um grande trabalho social com a missão de promover a integração de famílias e comunidades. Neles, são ofertadas uma gama de oportunidades, como cursos profissionalizantes, atividades esportivas, além de música, teatro e dança. Este ano, no dia 29 de agosto, o CECI da Aparecida completou 13 anos de existência. 

     

    Encontro dos idosos
    Encontro dos idosos | Foto: Divulgação

     

    Amor pelo CECI marcou o encontro
    Amor pelo CECI marcou o encontro | Foto: Divulgação

    Leia mais: 

    Secretaria que cuida dos direitos dos idosos é reinaugurada em Manaus

    Setembro amarelo: prevenir o suicídio na idade tardia

    Aleam realiza emissão de documentos para Pessoas com Deficiência