Fonte: OpenWeather

    Saúde


    Projeto Opera+ vai ampliar oferta de cirurgias eletivas no Amazonas

    Serão oferecidas 1.295 cirurgias a mais, por mês, somente no HPS Delphina Aziz

     

    | Foto: Bianca Fatim

    MANAUS (AM) - Com o objetivo de ampliar a oferta de cirurgias eletivas no Amazonas, o Projeto Opera+ foi lançado nesta terça-feira (5), pelo governador Wilson Lima no auditório do Hospital e Pronto Socorro (HPS) Delphina Aziz, Zona Norte de Manaus. 

    Com Opera + Amazonas,  Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) passa a ofertar,  no Delphina Aziz, 1.295 cirurgias a mais por mês para pacientes da rede estadual de saúde. A meta do projeto é alcançar, nos meses seguintes, 3.169 cirurgias/mês em Manaus, utilizando também outras unidades da rede estadual. O Opera+ prevê, ainda, a oferta de cirurgias na rede de saúde do interior do estado.

    No hospital Delphina Aziz serão realizadas cirurgias gerais (hérnia, vesícula e outros procedimentos do aparelho digestivo), ginecológicas, urológicas, proctológicas, oftalmológicas, vasculares e dermatológicas. 

    Antes mesmo de iniciar o Opera + Amazonas, desde o mês de setembro, o hospital já vêm sendo retaguarda dos três grandes prontos-socorros de Manaus (João Lucio, 28 de Agosto e Platão Araújo), realizando cirurgias gerais de emergência, com o objetivo de desafogar e reduzir a lotação dessas unidades.

    A pandemia de Covid-19 levou o sistema de saúde no Brasil inteiro a suspender procedimentos ambulatoriais, como as consultas e exames, e também as cirurgias eletivas –  não urgentes –, seguindo protocolos e recomendações do Ministério da Saúde (MS). Em outubro de 2020, com o recrudescimento da pandemia, o hospital Delphina Aziz, referência para a Covid-19 do Estado, já havia sido aberto para a rede de saúde quando a SES-AM teve que recuar no plano e novamente suspender os atendimentos não Covid-19.

    Com a ampliação da oferta de cirurgias, o governo quer garantir que aqueles pacientes que tiveram seus procedimentos suspensos e adiados pela pandemia de Covid-19 possam realizá-los o mais breve possível, incluindo aqueles que estavam agendados para o Delphina Aziz em outubro de 2020, mas tiveram suas cirurgias suspensas, quando houve a recrudescimento da Covid-19. 

     

    | Foto: Bianca Fatim

    Interior 

    No interior do Amazonas, o plano do Opera+ é realizar cirurgias itinerantes nas macrorregiões conhecidas como municípios polos. A meta é realizar cirurgias gerais, oftalmológicas e ginecológicas em parceria com as prefeituras.

    Consulta + e Examina + 

    No último dia 27 de setembro, também no hospital Delphina Aziz, foram lançados os projetos  Consulta + e Examina +, por meio dos quais a SES-AM começou a ofertar na unidade, por mês, 84,4 mil exames e terapias especializadas e 10,6 consultas para pacientes da rede pública de saúde.

    Estrutura completa 

    Em 2019, quando o governador Wilson Lima assumiu o governo, o HPS Delphina Aziz estava subutilizado, tendo somente 30% da capacidade ativada. Em janeiro daquele ano, apenas dois dos seis andares funcionavam com um pronto-socorro, serviço de apoio diagnóstico e 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

    Entre 2020 e 2021, o Delphina Aziz tornou-se o hospital de referência para a Covid-19 no Estado. Nesse período, o Governo do Amazonas colocou para funcionar, pela primeira vez desde que foi inaugurado em 2014, todos os seis andares da unidade para atender a alta demanda por internação ocasionada pela pandemia de Covid-19.

    No ápice da pandemia, o hospital chegou a ocupar o terceiro lugar no Brasil em oferta de leitos de UTI exclusivos para casos de Covid-19, ficando à frente de unidades como Hospital das Clínicas de São Paulo, Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, no Rio de Janeiro, e Hospital Júlia Kubitschek, em Minas Gerais.

     No total, o hospital chegou a ter 414 leitos em operação para Covid-19, entre clínicos e Unidade de Terapia Intensiva (UTI), no último pico da pandemia. Atualmente, os seis andares da unidade estão ativos com 372 leitos, sendo 132 de UTI e 240 clínicos.  Agora, toda essa estrutura será colocada para atender a população do Amazonas com procedimentos de saúde diversos.

    O Hospital Delphina Aziz tem 32 mil metros quadrados de área construída, com 11 salas cirúrgicas, 30 consultórios ambulatoriais, Centro de Controle Operacional (CCO), Centro de Diagnóstico por Imagem (CDI); Centro de Reabilitação e Fisioterapia; Parque Tecnológico com mais de 1,6 mil equipamentos de Alta, Média e Baixa Complexidade, entre eles os de tomografia, ressonância magnética, radiologia, ecocardiograma, equipamentos de ultrassonografia, mamografia, entre outros.

    Leia mais:

    Workshop apresenta serviços disponibilizados pela FCecon a pacientes

    Varizes pélvicas, que atingem população feminina, podem ser tratadas

    Atendimentos médicos eletivos caíram 38% em meio à pandemia no AM