Fonte: OpenWeather

    ACOLHIMENTO INFANTIL


    Abrigo de Manacapuru recebe apoio de loja de Manaus para fazer evento

    Evento pretende trazer doações e parceiros para ajudar o Instituto. O IVV ajuda crianças e adolescentes de Manacapuru que não possuem um lar.

     

    | Foto: Divulgação

    Manacapuru (AM) - Para promover acolhimento e assistência para as crianças e adolescentes cujos direitos básicos tenham sido violados em Manacapuru (distante a 68 quilômetros de Manaus), o Instituto de Valorização da Vida (IVV) vai ser um palco de um grande evento, em parceria com a Mommy e Baby Store - loja de artigos para bebês - que promete trazer doações e parceiros para ajudar a minoria que não é enxergado pelo poder público do município.

    O evento que vai ocorrer no sábado (9), das 15h às 18h, vai celebrar os direitos das crianças e adolescentes, ajudando a conscientizar a sociedade sobre os cuidados necessários durante essa fase tão essencial da vida.

     

    Ivanita Lima é a diretora do Instituto que existe há mais de 10 anos
    Ivanita Lima é a diretora do Instituto que existe há mais de 10 anos | Foto: Divulgação

    Com mais de 99 mil habitantes, Manacapuru possui um alto índice de pessoas em vulnerabilidade social, e muitas delas são crianças que, por vezes, não possuem oportunidades e nem chance de ter uma vida melhor por conta do descaso em que vivem. Diante deste cenário, a diretora Ivanita Lima criou o Instituto de Valorização da Vida, que nasceu em 2011.

    Com dois projetos matrizes, o Casa Esperança e Siren, recebeu acolhimento e apoio da loja Mommy e Baby Store, comandada pelo empresário Alank Viana, e busca, em meio a seus clientes, instituições de caridade que pudesse ajudar, encontrou o IVV e se apaixonou pelo projeto, conforme o publicitário do projeto, Alexandre Montefusco.

    "

    Preocupado com a questão social e abrir novos leques de serviço, a gente sorteou dentro dos nossos clientes alguma instituição que a gente pudesse apoiar e a que mais teve relevância foi o instituto IVV. A gente quer usar da sensibilização e da comunicação para atrair outros grupos e empresas que possam apoiar o projeto "

    Alexandre Montefusco, publicitário do IVV

    O evento vai trazer diversas atividades para diversão e saúde dos envolvidos no Instituto, como, por exemplo: atendimento odontológico; consultoria jurídica; distribuição de brinquedos e roupas; shows de palhaços; brincadeiras diversas e palestras.

    Casa Esperança 

    A Casa Esperança é um abrigo que acolhe 20 crianças e adolescentes, de zero a 17 anos - sendo sete meninos e 13 meninas - que perderam os pais ou que estão lá por custódia legal e permanecem na casa até que possam retornar para sua família ou à espera de adoção por parte de alguma família, sendo feito pela Justiça.

    O local sobrevive com o apoio de doações de empresas privadas, como a Mommy e Baby, que compreendem a necessidade do abrigo de ajuda, já que como instituição sem fins lucrativos, não tem de onde tirar o sustento para manter a estrutura, já que não há uma ajuda do poder público municipal para o IVV.

    O espaço já ajudou mais de 2 mil crianças negligenciadas pela vida e encontraram conforto e amor no espaço, para seguirem e terem oportunidades na vida.

    Sem apoio da prefeitura

     

    Loja Mommy e Baby está apoiando e patrocinando o evento para que o Instituto ganhe mais visibilidade
    Loja Mommy e Baby está apoiando e patrocinando o evento para que o Instituto ganhe mais visibilidade | Foto: Divulgação

    Fazendo o trabalho que deveria ser feito pela Prefeitura de Manacapuru, comandada pelo prefeito Beto D´Angelo (Republicanos), o abrigo não possui nenhum apoio do poder executivo municipal. A ajuda veio de uma loja de Manaus, que percebendo a necessidade do abrigo, patrocinou o evento para atrair ainda mais doações.

    A necessidade de uma loja de Manaus ter que olhar para Instituição do interior do Amazonas já que não há uma ajuda do próprio prefeito do município é preocupante para a população manacapuruense. O dono da loja Mommy e Baby, Alank Viana, acredita que o abrigo existe justamente pela falta do poder público não estar fazendo o seu papel.

    "

    O abrigo existe por falta da administração pública não fez o seu papel entendeu? E a administração pública ser um gestor público cuidar dessas pessoas como devem como a constituição manda a gente não estaria pedindo doações agora "

    , disse o empresário Alank Viana.

    Leia mais: 

    População reclama das ruas esburacadas em Manacapuru

    Beto D'ângelo é investigado por superfaturar kits humanitários

    "Nada ilegal", diz Prefeito sobre superfaturamento de contrato