Fonte: OpenWeather

    Sustentabilidade


    Manaus aposta em soluções inovadoras para incentivar reciclagem

    Uma das apostas é a implementação de máquinas em diferentes pontos da cidade que vão "pagar" por resíduos recicláveis

     

    Medidas visam reduzir gastos com coleta de lixo e danos ambientais
    Medidas visam reduzir gastos com coleta de lixo e danos ambientais | Foto: Divulgação/Semcom

    MANAUS (AM) - Um dos principais problemas urbanos de Manaus, a produção de lixo, começará a ser amenizado por promissores projetos de reciclagem. Além de fechar uma parceria com a sturtup Triciclo Inovação Sustentáveis, o prefeito David Almeida também inaugurou a primeira Central de Logística Reversa de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos da região Norte do país, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte da capital. 

      A Triciclo desenvolve projetos justamente voltados à Logística Reversa, uma área do ramo sustentável que foca no fluxo dos materiais que compõem os produtos, desde o ponto de origem, normalmente da fábrica, até o destino final, após o consumo, garantindo destinação ambientalmente adequada.  

    Para os próximos meses, a expectativa é de que a sturtup instale em Manaus a máquina tecnológica Retorna Machine, que aceita embalagens de alumínio, aço, plástico, aço, sachê, longa vida, vidro, entre outros. E o Deixaki, um contêiner inovador, em que é possível entregar grande volume de material reciclável e perigoso, como baterias e aparelhos eletrônicos, por exemplo. 

    "

    A ideia é trazer para Manaus esse meio de coleta acessível para todos os cidadãos e que traz benefícios à sociedade, de forma geral. Tanto a Retorna Machine quanto o Deixaki distribuem pontos a quem deposita resíduos recicláveis nas máquinas. Posteriormente, esse pontos podem ser trocados por recarga de celular, recarga da carteira estudantil de ônibus, doações a instiuições e outros benefícios, por meio do aplicativo Triciclo "

    explicou Felipe Cury, um dos idealizadores da startup.

     

    Primeiramente, uma máquina Retorna Machine será instalada brevemente na sede da  Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), e as próximas serão instaladas em pontos estratégicos da cidade. 

     

    Máquina Retorna Machine
    Máquina Retorna Machine | Foto: Divulgação/Semcom

    Depois da implementação efetiva do projeto, a expectativa é de que a iniciativa seja aderida pela população e faça com que as altas taxas de produção de lixo diminuam na maior cidade da Amazônia. Somente de 2013 a 2020, foram coletados mais de 12 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos e domésticos em Manaus, desse montante, menos de 2% são reciclados, segundo dados da Semulsp.  

    "

    O lixo é a maior despesa da Prefeitura de Manaus. Por ano, gastamos aproximadamente R$ 300 milhões, isso quer dizer que a cada dois meses poderíamos estar construindo um viaduto, uma passagem de nível, alargando uma avenida e assim melhorando a mobilidade urbana da cidade. Estamos fechando a parceria com essa empresa que faz a coleta, a logística reversa, por exemplo, de garrafas PET, de latas, de aço ou de materiais de longa vida, para que possamos ganhar dinheiro com o lixo que estamos gastando "

    , afirmou o prefeito David Almeida.

     

    Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos

     

    Primeira Central de Logística Reversa de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos da região Norte do país
    Primeira Central de Logística Reversa de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos da região Norte do país | Foto: Divulgação


    Em outra iniciativa para diminuir a quantidade de lixos eletrônicos descartados irregularmente pela cidade, a prefeitura inaugurou, no final de setembro, a primeira Central de Logística Reversa de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos da região Norte do país. A base funcionará na sede da Associação de Catadores de Recicláveis do Amazonas (Ascarman), localizada no bairro Santa Etelvina, zona Norte da capital.

    David Almeida destacou que o novo ciclo sustentável que se inicia na capital abrangerá diferentes segmentos. “Manaus já está se tornando uma cidade mais sustentável em todas as áreas. Começamos a trocar, com a indústria oleira de Iranduba, toras de madeira, das árvores que fazemos a poda diariamente, por tijolos, que iremos utilizar em nossas construções e reformas".

    "Vamos também começar a triturar o vidro, transformar em areia e assim utilizar nas nossas obras, pavimentação e muito mais. Tudo isso aumenta a vida útil do nosso aterro e traz inúmeros benefícios para a gestão e a população como um todo”, concluiu o prefeito.

    Iniciativas positivas

    Para a bióloga e ambientalista Daniele Araújo, todas as propostas que visam incentivar a coleta seletiva e diminuir a produção de resíduos são positivas e precisam ser encorajadas por toda a sociedade.

    "

    Sem dúvidas, é uma ótima iniciativa, mas precisamos ter em mente que para dar certo, toda a população precisa se mobilizar e praticar um pouco a sua cidadania, não jogando lixo na rua e participando de projetos como esse, que busca expandir a reciclagem "

    , comentou Daniele.

     

    A ambientalista também destacou que a capital tem sofrido muito com a quantidade de resíduos descartados diariamente.

    "Manaus é uma cidade que cresceu muito ao longo das últimas décadas, gerando vários impactos ambientais, especialmente na produção de lixo que atinge em cheio o meio ambiente. Basta ver a quantidade de resíduos retirados todos os anos pelo poder público dos nossos igarapés, por exemplo. Por isso, é fundamental que repensemos a nossa mentalidade como sociedade e passe a tratar com seriedade a questão da destinação dos resíduos que produzimos", finalizou a ambientalista. 

    De acordo com a prefeitura, diariamente, cerca de 27 toneladas de lixo são retiradas dos rios e igarapés de Manaus. Por ano, são gastos quase R$10 milhões só para a retirada de resíduos dos leitos fluviais da capital. 

    Leia mais

    Queimadas já afetaram 95% das espécies do bioma Amazônia

    Cheia do Rio Negro 'devolve' toneladas de lixo a manauaras

    Amazonas registra aumento de 350% na exploração de madeira