Fonte: OpenWeather

    Processo de desapropriação


    Em Manaus, mais de 400 famílias devem receber indenização

    Suhab está cadastrando mais de 400 famílias moradores da área da obra do Anel Viário Leste para formalizar indenizações

     

    A agilidade do processo de desapropriação é importante para acelerar o avanço das frentes de obras
    A agilidade do processo de desapropriação é importante para acelerar o avanço das frentes de obras | Foto: Divulgação/Secom

    Manaus (AM) - O Governo do Amazonas segue avançando para cadastrar mais de 400 famílias para recebimento de indenização por desapropriação na área de construção do Anel Viário Leste. Os levantamentos para realização de cadastros tiveram início em setembro deste ano e são feitos pela Superintendência Estadual de Habitação (Suhab). A agilidade do processo de desapropriação é importante para acelerar o avanço das frentes de obras.

      De acordo com a coordenadora de desapropriação da Suhab, Jaqueline Galvão, mais de 180 proprietários já foram cadastrados no processo de desapropriação realizado pela pasta, e a expectativa é de que, até o final dos trâmites, o Estado formule o cadastro de mais de 400 famílias para pagamento de indenizações.  

    "

    O nosso objetivo é liberar frente de obra para a execução de serviços de drenagem e pavimentação das vias que farão a interligação do Anel Viário Leste, que inicia na Reserva Ducke e vai até a Bola da Suframa. Inicialmente nós cadastramos 150 famílias no início da Reserva Ducke, o social fez o cadastro, os processos estão formalizados para posterior indenização e liberação de área "

    Jaqueline Galvão, coordenadora de desapropriação da Suhab

     

    Cheia de expectativas para comprar uma casa numa área melhor, após a desapropriação, Andressa Correa, é moradora da comunidade Chico Mendes, no bairro Puraquequara. Ela relata as dificuldades enfrentadas por ela e pelos demais moradores da área e comemora a chance de realizar o sonho da casa própria, por meio da indenização do Governo.

    “Vou ter minha casa própria, graças a Deus. E vai ter melhorias para a comunidade também, porque aqui a gente anda a pé para pegar ônibus lá para fora, é mais ou menos meia hora e não é fácil, que a gente sobe ladeira”, relatou a moradora.

    Quem também falou sobre a importância da iniciativa do Estado foi o metalúrgico Luciclei Magno, que também é morador da comunidade Chico Mendes. “Eu acho muito bom o Governo fazer a parte dele. Tirar o pessoal daqui, levar para um lugar melhor. Desde que ele faça a obra aqui, mas tire esse pessoal, dando uma moradia digna”, disse o morador.

    Obra 

      O Anel Leste contempla 18,3 quilômetros de extensão, iniciando no trevo da avenida dos Oitis, no bairro Distrito Industrial, e terminará na avenida Margarita, no trecho compreendido no entorno da Reserva Florestal Adolpho Ducke. O complexo desviará o fluxo de veículos pesados do centro de Manaus, facilitando o deslocamento entre as zonas norte e leste da capital.  

    A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Região Metropolitana de Manaus (Seinfra) realiza o mapeamento da área de construção e sinaliza as casas que deverão sair na execução do projeto. A partir disso, a Suhab faz visitas nas áreas e realiza o cadastro dos moradores que serão desapropriados.


    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Desapropriações abrem espaço para obra do Anel Leste em Manaus

    Suhab oferece até 80% de desconto em juros para inadimplentes do AM

    Famílias do Prosamim recebem 5º pagamento de indenizações e auxílios