Fonte: OpenWeather

    Balneário


    A Praia da Ponta Negra é realmente poluída? Descubra

    Pesquisa avaliou condição da balneabilidade do Rio Negro em todo o entorno de Manaus

     

    Quantidade de coliformes encontrado nas águas pode variar de acordo com o período de chuvas
    Quantidade de coliformes encontrado nas águas pode variar de acordo com o período de chuvas | Foto: Reprodução

    MANAUS (AM) - Apesar de ser um dos principais cartões-postais da cidade, a Praia da Ponta Negra, na Zona Oeste da capital, é frequentemente alvo de piadas e desconfianças de parte da população que a considerada poluída. No entanto, tudo não passa de um "mito", pelo menos foi isso que revelou um recente estudo a respeito da qualidade da água da praia mais famosa da cidade.

    Dados levantados pela pesquisa Scientia Amazonia, sobre a avaliação da condição da balneabilidade em todo o entorno de Manaus, apontaram que a quantidade de coliformes fecais é preocupante em diversos trechos do Rio Negro próximo à cidade. Entretanto, na região da Ponta Negra não foram encontrados quantidades substanciais de bactérias com riscos à saúde, pelo contrário.

    O estudo determinou que a Praia da Ponta Negra é um local  próprio para o uso como balneário, pois a quantidade de coliformes fecais detectados nesse trecho do rio é baixa, sendo a região da praia  classificada como "excelente".

    A quantidade de coliforme também pode variar de acordo com o período de chuvas.  Na época da cheia, que ocorre no intervalo entre os meses de novembro e junho, é o momento em que são identificados menos coliformes fecais no Rio Negro. De acordo com a análise do estudo, isso acontece porque é nesse período em que há menos descarte de efluentes domésticos e industriais nos trechos próximos às águas fluviais.

    Para o público cativo do balneário, nem mesmo a poluição seria capaz de afastá-los do ponto turístico. Isso porque durante o levantamento do  Scientia Amazonia, de um grupo de 20 banhistas, metade afirmou que continuaria frequentando a Praia da Ponta Negra, mesmo se o local fosse comprovadamente poluído. 

    Apesar de não concentrar coliformes fecais, os banhistas têm reclamado da sujeira deixada pelos próprios visitantes. "Infelizmente, o que estraga a praia são as próprias pessoas, que não se importam e jogam lixo aqui pela areia, acho muito falta de educação e respeito pelo meio ambiente", comentou a vendedora Daniela Silva, de 25 anos. 

    Aprimoramento da rede de esgoto da Ponta Negra

    No incio do mês, a Prefeitura de Manaus e uma concessionária começaram a elaborar um plano para promover melhorias no sistema de esgotamento da praia. Atualmente, a rede é composta por quatro elevatórias e a estação de tratamento e lançamento. O objetivo inclui, também, melhorar a qualidade da balneabilidade da água no parque.

    A reunião foi realizada com o diretor-presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), engenheiro Carlos Valente, equipes da concessionária e da Unidade Gestora Águas (UGPM).

    “Vamos firmar um termo de intenções, para executar o recebimento de todo o sistema de esgotamento da praia. Esse é o processo inicial, em que uma concessionária vai começar a assumir a operação, provisoriamente, até entender todas as melhorias que precisam ser executadas. Após isso, serão realizadas as obras necessárias, para garantir a eficiência no tratamento. E, na sequência, haverá um termo de recebimento provisório, seguido de um definitivo e de operação”, explicou o engenheiro Ary Laydner.

    Urbanização e o aumento da poluição 

    Diferentemente da Praia da Ponta Negra, os igarapés que cortam a cidade e o trecho do Rio Negro próximo à região central de Manaus estão completamente poluídos. De acordo com o ambientalista Carlos Durigan, esse processo tem a ver com a expansão urbana da cidade.

    "

    Manaus tem crescido muito rapidamente. Com essa extensão e como Manaus é uma cidade que tem crescido sem a implementação de infraestrutura, de tratamento, coleta e tratamento de esgoto, então a gente tem essa situação "

    ,diz o ambientalista.,

     

    Para ele, assim como outros espaços fluviais da cidade estão expostos à poluição dos despejos, a Ponta Negra também é um local que pode apresentar riscos aos banhistas.

    "

    Existe sim um risco, então precisa ser feito um monitoramento da qualidade da água por meio dos órgãos competentes para saber a carga dessa poluição e o quanto isso pode estar sendo prejudicial para as pessoas. A Ponta Negra é uma praia urbana, está dentro da cidade e isso tem seus efeitos "

    , diz Carlos Durigan.

     

    Leia Mais

    Banhistas devem usar máscara na Ponta Negra e manter distanciamento

    Chafariz da Ponta Negra é revitalizado e praia estará fechada no dia 2

    Acesso à praia de Ponta Negra passa a ser liberado aos domingos