Fonte: OpenWeather

    Artigos


    Santa Maria: oportunidade para um triste espetáculo

    O mundo parou com a recente tragédia em Santa Maria (RS), onde quase 240 jovens morreram por causa de um incêndio numa boate. O Brasil parou: desde então não se fala mais do aumento do preço da gasolina ou da eleição de Renan Calheiros como presidente do Senado, mas somente da tristeza das famílias e da apuração dos fatos do incêndio. O programa “Mais Você” explorou a audiência da desgraça alheia durante alguns dias, entrevistando sobreviventes e parentes das vítimas; o “Fantástico”, por sua vez, reproduziu uma maquete da boate em tamanho real, e por aí vai.
    Contudo, não foi só a televisão que aproveitou o “frisson” da tragédia. A prefeitura também pegou carona e virou o centro das atenções. Em Manaus, mais de 60 casas noturnas foram interditadas porque estavam irregulares. Um grande espetáculo: de um dia para o outro, empresários tiveram seus estabelecimentos fechados, trabalhadores ficaram ociosos e consumidores ficaram sem opções de lazer ou com menos do que já têm.

    Esta fatalidade deve servir de lição para que haja uma fiscalização mais rigorosa em casas noturnas, uma gestão de risco mais eficaz e uma obediência maior às regras. No entanto, todas essas ações pós-catástrofe deveriam ser regadas ao bom senso, para não prejudicar ninguém e não apavorar a população. A prefeitura deve sim interditar as casas irregulares, mas até que ponto isso está sendo feito da melhor maneira para conciliar interesses de todos os envolvidos?

    Será que, ao “sair interditando tudo”, a prefeitura vai ter a estrutura necessária para a grande demanda de processos administrativos? Ora, se estes trâmites já demoram normalmente, não queira imaginar agora, que todas as casas noturnas estão se debatendo para a obtenção de licenças. Aliás, certamente algumas delas ficam abertas irregularmente porque é mais barato pagar uma multa do que esperar, de portas fechadas, até que a prefeitura expeça o alvará.

    O outro problema é que Manaus tem uma vida noturna ativa. São muitos estabelecimentos espalhados por vários bairros e agora estão todos fechados. A prefeitura imaginou, ingenuamente, que as pessoas iriam ficar em casa vendo filme e comendo pipoca, mas a consequência (óbvia, diga-se de passagem) do fechamento das casas noturnas foi a superlotação de outros lugares. Na praça do Eldorado, por exemplo, ficou tão lotado que as ruas foram fechadas com cones, evitando que os carros “atrapalhassem” os pedestres – e tudo isso sem a presença de um sequer policial ou agente de trânsito. Não é certo “dar um show” de pulso firme diante das casas noturnas e se eximir das responsabilidades decorrentes disso.

    As medidas emergenciais são necessárias, mas não dispensam atitudes que resolvam o problema de vez: fiscalização constante e eficiente e aparelho estatal apto a atender a demanda de licenciamento com qualidade e rapidez. Além, é claro, de conscientização, criatividade e bom senso. Sem isso, é mais viável ao empresário manter uma boate irregular – e as consequências todo mundo já viu.