Fonte: OpenWeather

    Artigos


    Por um 2013 com mais vida e compreensão

    Neste caos organizado, globalizado e hiperconectado em que nós vivemos, hoje em dia, a maioria das pessoas pensa que conhece o mundo só porque consegue abrir o Google Maps em um celular à palma da mão e bisbilhotar um apanhado de cidades e países em poucos minutos.

    Não é bem assim: talvez a graça do universo seja poder sentir-se pequeno diante dele, e essa se tornou uma sensação raríssima. Por uma ironia curiosa da história e da vida, não se percebe mais sequer que existe um universo. Existe, para o nosso mundo cheio de correria e afazeres, a necessidade de estudar e trabalhar sem olhar para os lados, esquecendo-se de viver e erguer a cabeça. Por um segundo, deixe de lado o burburinho das conversas ao redor, as notícias sobre a crise na Europa, o fim do mundo, o estresse, a televisão: o mundo é sensível e precisa ser sentido com calma, então pare um pouco. Os países não são somente um nome, uma situação econômica e um IDH; são pessoas, costumes, ar que se respira, prato que se come, cerveja que se bebe... Então por que não viajar? E fazer tudo sem pressa, sem correria. Reflita: ano após ano a expectativa de vida do homem-médio cresce; surgem novos tratamentos para o câncer, novas obras de arte e música, novos amigos, novos voos da sua cidade para um lugar diferente – às vezes até uma boa promoção de Manaus até Nova Iorque! Para que graduar-se aos 21 anos? Aos 22, 23... Que diferença mesmo é que faz? Um direito tão fundamental quanto o direito à vida, à privacidade e à honra deveria ser o direito de um homem por os pés na Muralha da China, no Everest, no Deserto do Saara – ou em qualquer lugar que lhe apetecer. Ora, não é fundamental conhecer o mundo em que se vive? Somente duas horas de avião separam o Porto, em Portugal, de Marraquexe, no Marrocos; e menos de dez horas de voo separam Ancara, na Turquia, de Pequim, na China. Muitas vezes nós conseguimos passar mais tempo do que isso trabalhando ou dormindo, então não são voos tão longos assim se pararmos para pensar. De que tamanho é o mundo? Se calhar não é tão grande quanto se acredita e pode até valer a pena conhecê-lo com os próprios olhos. Por exemplo, você acha que conhece o mundo islâmico só porque o vê pela televisão? E o Rio de Janeiro oferece muito mais do que lindas mulheres em biquínis ousados durante o carnaval. Você não tem curiosidade em saber mais sobre a catedral de ossos da República Tcheca? Ou a cidade fantasma de Fordlândia, no Pará? Veja o mundo por si, sinta-o pelos próprios olhos, sem agonia, em qualquer lugar. Não precisa ter pressa, o tempo corre hoje exatamente como corria na época de nossos pais, minuto por minuto; não precisa ter medo. Aliás, é uma ótima resolução para o ano de 2013: conhecer um pouco melhor o mundo – pode ser na Índia ou naquele restaurante do bairro que você ainda não teve disposição para visitar. O mundo é uma mulher misteriosa, então ouse: dê-lhe um beijo no rosto e quem sabe ela não lhe mostra alguns outros segredos?