Fonte: OpenWeather

    EDUCAÇÃO


    Inscrições abertas para o Fies 2019/2: financiamento e oportunidade

    Alunos contam suas experiências com o plano do governo que oferece bolsas para estudar em universidades particulares. As inscrições vão até o dia 1º de julho

    Fies recebe inscrições até o dia 1º de julho. | Foto: Divulgação

    Manaus - Ingressar em uma universidade é um sonho que muitas vezes não cabe no bolso. A forte concorrência nas universidades públicas e o alto custo das mensalidades das instituições particulares faz com que meios alternativos como o Fies, ganhem visibilidade. 

    Aline Monteiro, 24, aluna do nono período período de direito é uma das pessoas que usufruem do recurso. Quando se formou no Ensino Médio, estava entre jornalismo e educação física. Não conseguiu a pontuação esperada no Enem e resolveu não tentar mais, porque engravidou. A partir daí, decidiu dedicar-se ao filho no primeiro ano de vida.  Hoje, o pequeno Isac, tem cinco anos. 

    “Pensei em vários outros cursos antes, mas direito se tornou minha primeira opção, um ano antes de ingressar. Escolhi porque me identifiquei, pesquisei a grade e gostei das matérias”, compartilha. 

    Para ela, o Fies era a única forma de fazer uma faculdade. “Não tinha condições e não tenho até hoje de pagar uma faculdade, qualquer que fosse. Direito é uma das mais caras, então não tinha nenhuma possibilidade de pagar, pois não trabalho”, diz. 

    Aline tem razão quando fala sobre a ampla concorrência e as altas mensalidades deste curso. Direito, pedagogia e administração são os cursos com mais alunos no Brasil, segundo dados do Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Inep. O investimento médio em uma universidade de direito é de R$ 800 por mês, o que equivale a praticamente 80% do salário mínimo, valor impraticável para famílias de baixa renda.  

    Felizmente, para Aline, o programa deu muito certo e ela teve a oportunidade de estágio no setor jurídico de uma importante fornecedora de energia. Além disso, fez o estágio obrigatório em uma delegacia, ano passado, onde decidiu que não pretende advogar e sim prestar concurso para a Polícia Civil. 

    Também aluna de direito, Gessica Alves de  Souza, 24, teve que trancar o curso por razões pessoais. Morando há 6 meses em Bela Vista de Goiás, ela conta que pretende voltar a estudar. “A transferência pelo Fies costuma ser muito  tranquila”, diz a estudante, com base em suas experiências pessoais.  

    “Foi um advogado amigo da família que me  aconselhou a buscar o Fies, falou a respeito dos juros e a forma de pagamento, entre outros fatores, falou de forma positiva”, conta Gessica, que cursou até o oito períodos de direito, em Manaus. 

    Hoje ela pretende atuar nas áreas de infância e juventude. "Eu sempre trabalhei com crianças na minha igreja e vejo que elas não têm voz, por isso sofrem tanto com diversos tipos de violência. Eu tenho em meu coração o desejo de fazer mais por elas.  Parte disso o meu interesse por essa área", relata.

    Há males que vêm para o bem

    Nutrição nunca foi uma opção para Jéssica Ayssa Monteiro. A curiosidade sobre o curso surgiu quando passou por problemas de saúde em 2015 e precisou fazer reeducação alimentar. 

    “Eu estava finalizando o ensino médio, tinha 17, eu realmente não me importava com a minha alimentação e saúde. Passava horas em jejum e quando eu comia era isso. Isso durou até meu corpo não aguentar mais, eu não dormia direito, não comia e acabei tendo uma convulsão, não que ela tenha sido especificamente gerada por isso, mas foi uma resposta do meu corpo", conta.

    Os médicos orientaram Jéssica a respeito da alimentação, a importância dos nutrientes na manutenção do corpo e como a escolha dos alimentos saudáveis influencia diretamente na qualidade de vida. Tudo isso gerou o desejo de cursar nutrição."Achei que não era pra mim, que tinha sido ilusão, depois me encontrei quando comecei a ter uma noção mais ampla de onde a nutrição está presente”.

    Hoje, com 21 anos e prestes a iniciar o oitavo período, Jéssica conta que está  preparada para atuar em qualquer área da nutrição, onde se sente realizada.

    Quanto ao futuro, pretende prestar concurso público, fazer a prova do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) e tentar tudo que for possível para ganhar experiência e quem sabe, até abrir um consultório próprio.

    Para este curso, especificamente, o Fies é muito importante, uma vez que não é oferecido em instituições públicas, em Manaus. As mensalidades do curso de nutrição começam em pouco mais de R$ 500 e podem chegar a R$ 2.000. 

    O programa em novo formato

    Em 2019, o Fies traz um novo modelo de financiamento estudantil, mais moderno, em diferentes modalidades, possibilitando juros zero a quem mais precisa e uma escala de financiamentos que varia conforme a renda familiar do candidato. 

    Fique atento ao cronograma:

    Até 1 de julho -  Inscrições nas modalidades Fies e P-Fies.

    9 de julho - Resultado das modalidades Fies e P-Fies. 

    10 a 12 de julho - Complementação da inscrição na modalidade Fies.  

    15 a 17 de julho - Complementação da inscrição que foi adiada , referente ao 1º semestre. 

    15 de julho 23 de agosto - Lista de espera na modalidade Fies. 

    Poderá se inscrever no processo seletivo o candidato que participou do Enem a partir da edição de 2010 e tenha obtido média aritmética das notas nas provas igual ou superior a 450 pontos, além de nota superior a zero na redação. 

    O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa do Ministério da Educação (MEC), que tem como objetivo conceder financiamento a estudantes em cursos superiores não gratuitos, com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC e oferecidos por instituições de educação superior não gratuitas aderentes ao programa.

    Leia Mais

    Ei, estudante, já sabe o que fazer com a sua nota do Enem? 

    12 situações que podem fazer o estudante perder a bolsa do ProUni  

    Como a Austrália pode inspirar o sistema educacional brasileiro?