Fonte: OpenWeather

    Coronavírus


    Finalista em prêmio nacional, colégio de Manaus segue com aulas online

    Durante esse período de isolamento social, os pequenos cientistas têm recebido suporte dos professores para realizarem as atividades em casa

    O Colégio Martha Falcão será um dos destaque no Prêmio Nacional de Gestão Educacional (PNGE) | Foto: Divulgação

    Apesar de as aulas presenciais estarem suspensas como forma de prevenir o contágio do Covid-19, doença causada pelo novo Coronavírus (Sars-Cov-2), o Colégio Martha Falcão continua oferecendo a seus alunos aulas online. Até mesmo os projetos especiais não pararam de funcionar. A instituição que, neste ano, é finalista em uma premiação nacional, apostou em ferramentas tecnológicas para oferecer atividades remotas, como as que vem sendo desenvolvidas pelo Clube do Futuro Cientista, voltado para a iniciação científica.

    Durante esse período de isolamento social, os pequenos cientistas têm recebido suporte dos professores para realizarem as atividades em casa, como por exemplo os desafios para analisarem filmes que abordam problemas ambientais. Em breve, eles também começarão a receber orientações para realizarem experimentos científicos. 

    A experiência das atividades remotas do clube tem permitido instigar a curiosidade dos alunos do Colégio Martha Falcão, além de proporcionar uma ludicidade diferente e momentos em família.

    “O incentivo à formação de novos pesquisadores nasce nas salas de aula e, por isso buscamos incentivar a curiosidade, o gosto por descobertas e pela ciência”, destaca a diretora das Instituições Nelly Falcão de Souza (INFS), Nelly Falcão de Souza.

    Para a educadora, essa consciência desenvolvida ainda na infância faz com que os estudantes cheguem à fase adulta com um olhar crítico da realidade e noção de sua participação de um mundo melhor.

    Premiação Nacional

    O Colégio Martha Falcão será um dos destaque no Prêmio Nacional de Gestão Educacional (PNGE), previsto para acontecer no segundo semestre do ano, em São Paulo (SP). A instituição é finalista na categoria Gestão Acadêmica pela realização de práticas bem sucedidas, entre elas, o projeto do Clube do Futuro Cientista. 

    A premiação faz parte da programação do XIII Congresso Nacional de Gestão Educacional (GEduc 2020). “Estar entre as três melhores iniciativas do país representa o reconhecimento do trabalho de todas as pessoas que participaram e participam do projeto”, disse a professora Nelly Falcão. Além de ser premiado, o Martha Falcão será tema de matéria na revista que circulará no período do evento, com destaque para a Feira Científico-Cultural que realiza anualmente.

    Entre os cases de sucesso do projeto desenvolvido pelo Colégio Martha Falcão está o da ex-aluna Ana Cecília Nina Lobato, que é engenheira agrônoma e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia Tropical da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). 

    A pesquisadora foi destaque no início deste ano por desenvolver, a partir da fécula do cará, um material biodegradável como alternativa ao plástico para acondicionar alimentos. 

    Ana conta que o Clube do Futuro Cientista influenciou-a no interesse em trabalhar na área do meio ambiente e a realizar pesquisas para melhorar a segurança alimentar e ambiental. 

    “É uma experiência que vou guardar para sempre no meu coração e recomendo a todos os alunos que participem, pois terão vivências que no futuro farão a total diferença na vida acadêmica e profissional”, revela a ex-aluna.

    Neste ano, o Colégio Martha Falcão criou a premiação Mulheres que Inspiram, a ser concedida anualmente a mulheres de destaque em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, e Ana Cecília foi uma das homenageadas. “Foi uma surpresa maravilhosa,  sensação de que estou no caminho certo e que a dedicação do meu trabalho pode dar bons frutos”, disse a pesquisadora.

    Legado da educadora

    O Clube do Futuro Cientista é considerado um dos maiores legados da professora Martha Falcão, uma pioneira das causas ambientais, que foi reconhecida em todo o Brasil por sua dedicação, como professora e cientista, à preservação da Amazônia. 

    “Neste ano, o clube está fazendo 32 anos de atuação e, as 80 inscrições abertas aos alunos já foram preenchidas. É um dos projetos mais procurados e conta, inclusive, com lista de espera”, revela a coordenadora do Clube do Futuro Cientista, Luciana Gadelha.

    O projeto é formado por alunos do 1° ano do Ensino Fundamental ao 3º Ensino Médio. Ao longo do ano eles realizam diversas atividades que incluem plantio e cultivo de mudas, visitas técnicas, aulas passeio, pesquisas de campo, projetos de pesquisa, exposições e campanhas de conscientização. 

    Durante a programação, os membros do clube também realizam atividades com os alunos do Pinocchio Centro Educacional, instituição que faz parte das Instituições Nelly Falcão e que, neste ano, comemora 40 anos de existência no Amazonas. “Com isso, a educação ambiental é discutida e disseminada pelos cientistas mirins”, enfatiza Luciana.

    Com informações da assessoria*