Fonte: OpenWeather

    EDUCAÇÃO


    Professor que leciona no Compaj incentiva alunos a mudarem de vida

    O professor estimula os alunos a buscarem um futuro diferente por meio da educação

     

    Diante do preconceito em trabalhar com o ensino prisional, o professor diz que é preciso ser corajoso e driblar as dificuldades
    Diante do preconceito em trabalhar com o ensino prisional, o professor diz que é preciso ser corajoso e driblar as dificuldades | Foto: Lincoln Ferreira/Seduc-AM

    MANAUS  (AM) - O professor Edvaldo Manoel Almeida, de 55 anos leciona na Educação Prisional, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde estimula os alunos a buscarem um futuro diferente.

    Ele viu sua  vida mudar por meio de um concurso de história dos bairros. Ele, que trabalhava no Distrito Industrial e queria ser advogado, escreveu sobre o bairro Coroado, na zona Leste de Manaus, e ficou em primeiro lugar.

    O trabalho virou livro e ele resolveu, aos 42 anos, entrar para a docência. “Me achei”, diz ele. Edvaldo ministra 12 disciplinas, para as turmas de 9ª e 11ª etapas, de segunda a quinta-feira, nos turnos matutino e vespertino.

    No Compaj, funciona a Escola Estadual Giovanni Figliuolo, que atende 1.157 alunos. Com o estudo, eles podem subtrair um dia de pena a cada 12 horas estudadas, conforme a Lei da Remição pelo Estudo.

      A Educação Prisional é oferecida às pessoas privadas de liberdade por meio da Educação de Jovens e Adultos (EJA), da Secretaria de Estado de Educação e Desporto.  


    Para ele, o maior desafio foi mostrar para os estudantes que estava envolvido no ensino.

    "

    O maior desafio foi conquistar a confiança dos alunos, pois eles são exigentes e percebem de longe quando um professor vem para a sala de aula somente fazer ‘migué’. Espero impactar a vida dos reeducandos através de uma prática educacional que atinja um ensino humanizador, pois acredito que é possível ressocializá-los mediante a educação "

    Edvaldo Manoel Almeida, professor

     

    Diante do preconceito em trabalhar com o ensino prisional, o professor diz que é preciso ser corajoso e driblar as dificuldades, porque os obstáculos estão por toda parte, mas com pesquisa e persistência é possível obter bons resultados.

    Edvaldo costuma falar sobre a própria história e a mudança de vida com uma idade que não é tão comum buscar outras profissões, a fim de estimular os estudantes a buscarem vidas diferentes após cumprirem suas penas e serem ressocializados.

    Mesmo com os desafios, o docente celebra o dia dele.

    "

    Parabenizo a todos os professores pelo seu dia. Em especial, parabenizo aos docentes da Escola Estadual Giovanni Figliuolo, que não medem esforços para garantir uma educação de qualidade e, assim, contribuir para a ressocialização das pessoas privadas de liberdade. "

    Edvaldo Manoel Almeida, professor

     

    Dia do Professor

    A data é comemorada no Brasil em 15 de outubro e foi estabelecida em 1963, durante o governo de João Goulart, em referência Dom Pedro I, que, em 15 de outubro de 1827, emitiu uma lei sobre o Ensino Elementar, determinando que todas as cidades do país tinham que ter escolas de Primeiras Letras – o que hoje é o Ensino Fundamental.

    Em 1948, o Dia do Professor foi oficializado como data comemorativa e feriado no estado de Santa Catarina, e, em 14 de outubro de 1963, por meio do Decreto Federal nº 52.682, foi instituído o Dia do Professor em todo o Brasil.

    Leia mais:

    Provão Supletivo é realizado em unidades prisionais de Manaus

    Professor aponta caminho para levar estudantes de volta para escola

    Professor indígena une cultura e tradição nas aulas de Geografia