Fonte: OpenWeather

    Tecnologia


    Solução off-line será implantada em escolas rurais e presídios do AM

    Positivo fará a implantação da solução voltada para aprendizagem em ambientes de baixa ou nula conectividade

    A previsão é que as soluções educacionais sejam disponibilizadas no começo do ano letivo de 2020 | Foto: divulgação

    Manaus - A Positivo Tecnologia assinou termo de colaboração técnica para beneficiar escolas ribeirinhas e rurais do Amazonas, além do sistema prisional do Estado. A iniciativa consiste em desenvolver e implementar solução educacional, integrada por hardware e software, que permite a estudantes e detentos o aprendizado de Língua Portuguesa e Matemática em ambientes de baixa ou nula conectividade.

    O acordo, firmado com a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino do Amazonas (Seduc) e Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), foi assinado nesta terça-feira (9), na sede da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), na presença do governador Wilson Miranda Lima.

    Como funciona?

    As primeiras etapas do projeto serão o desenvolvimento de plataforma adaptativa off-line, que será integrada por conteúdos multimídia, como vídeos, videoaulas, atividades interativas, jogos e textos, além do mapeamento e seleção das instituições a serem contempladas. A previsão é que as soluções educacionais sejam disponibilizadas no começo do ano letivo de 2020.

    “Nossa missão como empresa é democratizar o acesso à tecnologia. O projeto está em linha com esse princípio ao possibilitar a aprendizagem em ambientes sem conexão”, diz o CEO da Positivo Tecnologia, Hélio Rotenberg.

    A Positivo Tecnologia custeará o desenvolvimento das soluções educacionais e o suporte pedagógico para garantir os resultados pretendidos. Fica sob a responsabilidade da Seduc e do TJAM a indicação das instituições nas quais o projeto será implantado, bem como o acompanhamento de todas as etapas e avaliação dos resultados.

    Educação no AM

    No Amazonas, segundo o Censo Escolar/INEP 2018, apenas 48% das escolas dispõem de banda larga, não necessariamente para uso dos alunos.

    “Nas populações rurais e ribeirinhas a situação é ainda mais crítica. Algumas comunidades sequer têm acesso à rede elétrica. Acreditamos que o uso de tecnologias educacionais off-line, como a que estamos propondo, pode encurtar distâncias e levar a qualquer lugar os mesmos recursos disponíveis em ambientes conectados”, diz Regina Silva, diretora pedagógica da Positivo Tecnologia Educacional.

    Nas escolas, as atividades serão realizadas como parte do planejamento pedagógico existente, pois os conteúdos da plataforma digital adaptativa estarão totalmente relacionados ao currículo do Ensino Fundamental.

    Presídios

    Quanto ao sistema carcerário, a Positivo espera que o projeto represente uma oportunidade para os detentos recuperarem conteúdos fundamentais para a formação cidadã e que os auxilie na reinserção social.

    Quanto à escolha do Estado do Amazonas para o projeto, José Goutier Rodrigues, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento e Relações Institucionais da Positivo Tecnologia explica: “Uma de nossas fábricas está em Manaus. Queremos, portanto, oferecer à comunidade uma ação socialmente responsável”.

    Durante todo o projeto serão avaliados e aferidos os impactos da utilização da tecnologia educacional na aprendizagem. 

    “Nossa intenção é garantir os direitos de ensino a estudantes de comunidades sem conexão, que terão acesso aos mesmos conteúdos que alunos conectados de escolas públicas e particulares”, afirma Regina Silva.

    A expectativa da Positivo Tecnologia e dos demais envolvidos na iniciativa é que o impacto da ação contribua para a elevação do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), bem como dos resultados obtidos por meio do Sistema de Avaliação do Desempenho Educacional do Amazonas (Sadeam). 

     “É a inclusão digital favorecendo a inclusão social”, conclui Hélio Rotenberg.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais

    Projeto estimula meninas da periferia a serem especialistas em TI

    Do deserto à Amazônia: Manaus ganha projeto com tecnologia educacional

    Conheça o Orbis, uma aplicativo para unir as tribos urbanas