Fonte: OpenWeather

    Espaço


    Estação Espacial faz manobra para se desviar de lixo nesta sexta-feira

    Órbita da estação baixou 310 metros durante quase três minutos para evitar o contato

    Os detritos espaciais consistem em veículos de lançamento descartados ou partes de uma espaçonave, que flutuam pelo espaço
    Os detritos espaciais consistem em veículos de lançamento descartados ou partes de uma espaçonave, que flutuam pelo espaço | Foto: Divulgação/ Reuters

    A Estação Espacial Internacional (ISS) teve que se desviar, nesta sexta-feira (3), do fragmento de um veículo de lançamento dos Estados Unidos (EUA), informou o chefe da agência espacial da Rússia, o mais recente de uma série de incidentes nos quais detritos espaciais exigiram a reação de astronautas. 

      Os apelos para o monitoramento e a regulamentação do lixo espacial aumentam desde que a Rússia realizou um teste de míssil antissatélite no mês passado. O teste criou um campo de detritos em órbita, que autoridades dos EUA disseram poder representar um risco às atividades espaciais durante anos.  

    Dmitry Rogozin, o chefe da agência espacial russa Roscosmos, afirmou que a ISS foi obrigada a manobrar por causa do lixo espacial de um veículo de lançamento norte-americano, colocado em órbita em 1994.

    A Roscosmos disse que, durante a manobra não programada, realizada pelo controle da missão, a órbita da estação baixou 310 metros durante quase três minutos para evitar o contato.

      Rogozin acrescentou que a manobra não afetará o lançamento planejado do foguete Soyuz MS-20, do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, no dia 8 de dezembro, e seu atracamento na ISS.  

    Os detritos espaciais consistem em veículos de lançamento descartados ou partes de uma espaçonave, que flutuam pelo espaço e podem colidir com satélites ou a ISS. 

    Em artigo publicado ontem no Financial Times, Anders Fogh Rasmussen, ex-secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), afirmou que a destruição russa do satélite no mês passado criou o risco de transformar o espaço em um ferro-velho. 


    Leia mais: 

    Nasa lança sonda para estudar asteróides "troianos" em Júpiter

    Veículo da Nasa chega ao polo sul da Lua em 2023 para procurar água

    Partes de foguete chinês caem no Oceano Índico neste domingo (9)