Clima e Carbono


Programa de Regulação do Clima e Carbono avança no Amazonas

Com a validação da minuta, o Amazonas fica mais perto de adiantar a execução do Programa de Regulação do Clima e Carbono e do subprograma de REDD+, que visa recompensar o Estado pela redução de emissões de Gases do Efeito Estufa

A partir dessa minuta de decreto, o Governo do Amazonas poderá avançar na implementação de políticas públicas voltadas para a redução progressiva e consistente das emissões
A partir dessa minuta de decreto, o Governo do Amazonas poderá avançar na implementação de políticas públicas voltadas para a redução progressiva e consistente das emissões | Foto: Divulgação

A Lei de Serviços Ambientais e Mudanças Climáticas do Amazonas deu mais um passo em direção a sua regulamentação, nesta quinta-feira (05/11).

Durante sua 5ª Reunião Extraordinária, membros do Fórum Amazonense de Mudanças Climáticas (Famc) aprovaram a minuta de decreto que possibilitará a implementação de projetos de REDD+ no Amazonas. 

Com a validação da minuta, o Governo do Amazonas fica mais perto de adiantar a execução do Programa de Regulação do Clima e Carbono e do subprograma de REDD+. O modelo visa recompensar o Estado pela redução de emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE) provenientes do desmatamento e da degradação florestal, segundo o presidente do Fórum e secretário de Estado do Meio Ambiente, Eduardo Taveira. 

“A partir dessa minuta de decreto, o Governo do Amazonas poderá avançar na implementação de políticas públicas voltadas para a redução progressiva e consistente das emissões de GEE e mitigação das mudanças climáticas, recebendo recursos para executar projetos que incentivem o manejo sustentável das florestas e a conservação da Amazônia, favorecendo, sobretudo, agricultores familiares, povos indígenas e comunidades tradicionais que vivem em Unidades de Conservação”, disse. 

Ao instituir o decreto, o Estado do Amazonas estará apto a desenvolver e incentivar projetos de REDD+ públicos e também privados, conforme explica o chefe do Departamento de Gestão Ambiental e Territorial (Degat) da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), Francisco Itamar. 

Ao instituir o decreto, o Estado do Amazonas estará apto a desenvolver e incentivar projetos de REDD+ públicos e também privados,
Ao instituir o decreto, o Estado do Amazonas estará apto a desenvolver e incentivar projetos de REDD+ públicos e também privados, | Foto: Divulgação

  

Após a aprovação da minuta pelo Famc, o documento segue para apreciação do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Cemaam), órgão colegiado responsável pela deliberação final das políticas ambientais no Amazonas. Com a deliberação, o documento segue para a Casa Civil, para assinatura do decreto pelo governador Wilson Lima. 

Lançamento de estudos

O projeto de Regulamentação e Implementação da Lei Estadual de Serviços Ambientais do Amazonas é supervisionado pela Sema e executado pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS), em parceria com Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), Fundação Vitória Amazônica (FVA) e Conservação Internacional Brasil (CI-Brasil).