Fonte: OpenWeather

    Botos no Brasil


    Brasileiro ganha prêmio mundial por projeto de conservação com botos

    Em 2007, o biólogo atuou como cofundador da ONG Kaosa, que abriga botos que vivem na região

     

    Com apenas 90 botos ainda na localidade, a expectativa é diminuir em 40% a mortalidade dos animais nos próximos cinco anos
    Com apenas 90 botos ainda na localidade, a expectativa é diminuir em 40% a mortalidade dos animais nos próximos cinco anos | Foto: WFN/Divulgação

    O golfinho-nariz-de-garrafa, ou boto, (Tursiops truncatus) é uma espécie amplamente distribuída, é observada especialmente em áreas costeiras e sobre a plataforma continental. Existem registros da espécie desde a região Norte, incluindo a costa do Pará e o Arquipélago de São Pedro e São Paulo, até o Rio Grande do Sul. 

    O biólogo brasileiro Pedro Fruet, de 40 anos foi um dos  sete ganhadores do prêmio Whitley Awards 2021, conhecido como o Oscar da Ecologia.

      O prêmio veio por conta do trabalho na preservação de botos ameaçados pela pesca em Rio Grande, região sul do Rio Grande do Sul.  

    Fruet, que atua como secretário do Meio Ambiente do município, destinará o prêmio de 40 mil libras, o equivalente a cerca de R$ 300 mil, a promover o trabalho de preservação das espécies de golfinho da região.

    Com apenas 90 botos ainda na localidade, a expectativa é diminuir em 40% a mortalidade dos animais nos próximos cinco anos. Por ano, uma média de seis botos morrem, número muito alto para uma espécie que tem somente 600 animais restantes.

    Em 2007, o biólogo atuou como cofundador da ONG Kaosa, que abriga botos que vivem na região. A espécie é ameaçada de extinção, principalmente pela pesca. Em 2012, uma zona de proteção foi instituída para preservar os botos, mas os animais

    "

    Os golfinhos continuavam morrendo, e o pescador estava sendo preso e perseguido pelos órgãos de fiscalização, que estavam fazendo o trabalho deles. Estavam colocando energia e dinheiro do poder público nisso, e no fim das contas o problema persistia "

    Pedro Fruet, biólogo

     

    Fruet pretende usar uma estratégia social. A ideia é treinar 50 pessoas para disseminar informações sobre a preservação dos botos e criar um app. Ele também quer fazer um mapeamento da população de botos.

    Os botos são conhecidos por ajudar os pescadores na procura pelo peixe tainha, uma espécie muito consumida na região.

    “Os botos são criaturas maravilhosas e têm a capacidade de nos mostrar que podemos desfrutar do mundo em harmonia com animais selvagens. Acredito que, ao promovê-los a uma espécie emblemática, podemos proteger todo o ecossistema e melhorar a vida das comunidades locais”, disse em entrevista à Prefeitura municipal do Rio grande do Sul.

    *G1 e Metrópoles

    Leia mais:

    Experiência de turismo sustentável promove mergulhos com botos no AM

    Conheça Laura Prado, a amazonense amiga de um boto fêmea