Fonte: OpenWeather

    Tecnologia


    Inteligência artificial ajuda a combater destruição da Amazônia

    A inovação tecnológica antecipa informações de regiões com maior vulnerabilidade de desmatamento e incêndios na Floresta Amazônica

     

    A iniciativa é fruto de uma parceria entre o Imazon e outras duas multinacionais
    A iniciativa é fruto de uma parceria entre o Imazon e outras duas multinacionais | Foto: Reprodução/Imazon

    MANAUS (AM) - Uma inovação tecnológica está sendo uma forte aliada no combate ao desmatamento da Floresta Amazônica. Trata-se da ferramenta de inteligência artificial, a PrevisIA, que antecipa informações de regiões com maior vulnerabilidade de desmatamento e incêndios. Lançada em meados de agosto, a iniciativa é fruto de uma parceria entre o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e outras duas multinacionais.

    Responsável por coordenar o projeto, o pesquisador Carlos Souza Jr explica que a ferramenta analisará vários fatores, incluindo dados a estradas legais e clandestinas, cobertura do solo, infraestrutura urbana, topografia, estradas legais e clandestinas, e dados socioeconômicos para identificar possíveis tendências de mudanças no uso do solo.

    "

    Essa iniciativa de risco de desmatamento e queimadas permitirá antever a destruição da Floresta Amazônica no curto prazo, estamos trabalhando com os próximos seis meses. De certa forma, o que realmente desejamos é que possamos evitar as queimadas e a derrubada da mata, e não que os nossos modelos de risco acertem a previsão "

    , explica o pesquisador.

     

    Para Carlos Souza Jr, a iniciativa abrirá um leque para que um número diversificado de usuários atue na luta contra o desmatamento da maior floresta tropical do planeta. 

    “As estradas ilegais, por exemplo, que geralmente são abertas para acesso a recursos florestais, para o processo de grilagem e acesso a garimpos, poderão ser monitoradas pelo sistema. Esse projeto abriu várias possibilidades, uma delas foi democratizar o acesso a recursos avançados de TI [Tecnologia da Informação], e assim abrir a um número substancial de usuários o acesso a possibilidade de engajamento na preservação e controle de desmatamento da Amazônia", afirma Carlos Souza Jr.

      O PrevisIA também fornece um ranking entre os estados e os municípios com maior risco de destruição florestal, e mostra a área total de cidades, unidades de conservação, terras indígenas, territórios quilombolas e a quantidade de assentamentos rurais.  

    Segundo a Imazon, as informações poderão ser usadas por órgãos públicos para o planejamento e a execução de ações preventivas, de combate e de controle do desmatamento. E para assegurar que os públicos que podem ser mais beneficiados pela PrevisIA possam utilizar a plataforma, o Imazon fará um trabalho de engajamento para explicar como essa tecnologia pode ser uma aliada na proteção da Amazônia.

    Desmatamento histórico

    Um monitoramento realizado pela plataforma Terra Brasilis, desenvolvida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), apontou que de janeiro até o final de julho deste ano, a Amazônia Legal acumulou a maior área desmatada neste período na história do monitoramento.

    A ferramenta reúne alertas e monitora o desmatamento na região da Amazônia desde 2015  sendo que os dados do primeiro semestre começaram a ser computados apenas a partir de 2016.

    Leia mais

    "Grande ameaça", dizem especialistas sobre aprovação do PL da grilagem

    Shopping do Artesanato recebe exposição “Cocares Emoldurados”

    Indígenas e ribeirinhas são vítimas de tráfico de pessoas no Amazonas