Fonte: OpenWeather

    Meio Ambiente


    Desmatamento no Amazonas cresce 71% em setembro

    Já o desmatamento na Amazônia em setembro foi o maior para o período em 10 anos

    O desmatamento no Amazonas corresponde a 21% de toda área devastada na Floresta Amazônica | Foto: Victor Moriyama/Amazônia em Chamas/Divulgação Greenpeace

    MANAUS (AM) - O crescimento de 71% o índice de desmatamento no Amazonas no último mês setembro em relação ao mesmo mês do ano passado foi revelado pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). A área desmatada neste ano é de 261 Km², contra 153 Km² do período de 2020.

      O desmatamento no Amazonas corresponde a 21% de toda área devastada na Floresta Amazônica em setembro de 2021.  

    “Nos nossos últimos monitoramentos, estamos percebendo um avanço da destruição da floresta na divisa entre Amazonas, Rondônia e Acre, o que indica uma nova fronteira do desmatamento. Isso pode ter relação com a localização de um polo agropecuário na região”, explica a pesquisadora do Imazon Larissa Amorim ao CNN.

    Amazônia

    A um pouco mais de uma semana para o início da Conferência do Clima, a COP26, em Glasgow na Escócia, a maior floresta tropical do mundo bateu novo recorde de desmatamento. A Amazônia perdeu diariamente uma área de floresta maior do que 4 mil campos de futebol apenas em setembro.

    Em todo o mês, foram devastados 1.224 km², o que corresponde ao tamanho da cidade do Rio de Janeiro e é a pior marca para setembro em 10 anos. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que monitora a floresta por meio de imagens de satélites.

    O desmatamento registrado em setembro foi apenas 1% superior do que o detectado no mesmo mês em 2020, quando a Amazônia também perdeu uma área expressiva de floresta: 1.218 km². No entanto, em comparação com 2019, a devastação em setembro deste ano é 53% maior. Já em relação à 2018, é quase três vezes superior.

    Esses dados mostram que o Brasil precisa apresentar ações mais efetivas para proteger a Amazônia na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP-26), que inicia no dia 31 de outubro em Glasgow, na Escócia.

    Leia Mais

    AM é o epicentro da exploração de madeira na Amazônia, aponta estudo

    Rios amazônicos não podem evitar crise hídrica, dizem especialistas

    *Com informações do CNN