Fonte: OpenWeather

    Educação


    Como a tecnologia pode transformar o potencial humano?

    Artigo da Isabel Costa, Gerente de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil

    A tecnologia também tem um papel preponderante de inclusão que vai além das diferenças econômicas | Foto: Divulgação

    Manaus- Democratizar o acesso à educação se tornou uma demanda ainda mais urgente. A sociedade pede respostas rápidas para que o ensino remoto consiga servir a todos os brasileiros, e não apenas àqueles que já possuem uma condição mais privilegiada. E é nesta lacuna que o papel da tecnologia ganha força. Quanto mais investimento em inovação, teremos menos barreiras e distâncias.

    Diante da necessidade de seguir com as aulas de forma remota, ficou ainda mais em evidência que em diversos casos as conexões não têm a qualidade e o alcance necessários e ainda são caras para a realidade da maioria das famílias. Sem falar na falta de equipamentos essenciais para que o ensino à distância seja praticado e da nova dinâmica que professores precisaram aprender às pressas.

    Isso tudo tem sido amplamente acompanhado pela imprensa, que já mostrou, com base em números levantados pelo Instituto Península, que 83% dos professores não se sentem capacitados para esse novo momento. Também tem sido destacado como alunos de regiões mais periféricas encontram dificuldade para estudar de casa sem os recursos necessários.

    Se uma empresa decide investir em educação, ela não vai só reforçar seu compromisso com as pessoas e suas causas. Esse tipo de movimento contribui ainda com a formação de mão de obra mais qualificada. Com isso, o mercado também passa a contar no futuro com um número maior de pessoas capacitadas. Assim, aumentam também os caminhos para novos produtos e soluções serem criados. E, com novos produtos e soluções, mais gente poderá ser beneficiada.

    Esse ecossistema pode ser ampliado e assim envolver ainda mais setores. Explorar estratégias de aprendizagem por projetos desperta nos estudantes o pensamento crítico e a investigação para problemas locais e globais. É desta forma que os programas de Cidadania Corporativa da Samsung podem reconhecer práticas educativas que favoreçam o coletivo, como o grupo de alunos da rede pública de Roraima que descobriu um repelente natural capaz de combater a dengue e outras doenças causadas pelo Aedes aegypti durante um projeto do Prêmio Respostas para o Amanhã. Esse é o tipo de resultado que contribui para a formação de cidadãos capazes de interpretar situações, lidar com as mudanças de contexto e colaborar para avanços da sociedade.

    A tecnologia também tem um papel preponderante de inclusão que vai além das diferenças econômicas. Como exemplo temos o aprimoramento de sistemas de acessibilidade, que permitem maior integração com deficientes visuais ou auditivos, por exemplo, na criação e no consumo de jogos, apps e outros tipos de conteúdos digitais. Isso pode ajudar a abrir portas que antes eram improváveis.

    Tecnologia e inovação, quando aliadas à educação, não transformam apenas fisicamente uma sala de aula ou a rotina de um estudante que busca capacitação profissional. Esses pilares são capazes de mudar e melhorar a vida de famílias e promover a evolução de toda a sociedade para um futuro mais próspero e igualitário. E, para as empresas, significa um investimento no futuro.

    *Artigo 

    Leia mais:

    Professores e pedagogos anunciam estado de greve contravolta às aulas

    Milton Ribeiro toma como ministro da Educação nesta quinta-feira (16)

    Estudantes do ensino médio vivem o desafio de escolher a profissão