Fonte: OpenWeather

    Coronavírus


    Faculdades portuguesas fecham e estudantes brasileiros são afetados

    CORONAVÍRUS: em meio ao alastramento do Covid-19 pela Europa, universidades lusitanas suspendem as aulas para evitar contágio maior. Estudantes de intercâmbio brasileiros relatam medo.

    Estudantes estão preocupados com intercâmbio | Foto: Ricardo Castelos/NFactos

    Manaus e Porto - A Direção-Geral de Saúde (DGS) de Portugal, órgão equivalente ao Ministério da Saúde brasileiro, deu início nesta semana ao plano de contingência para evitar que o coronavírus se espalhe no País. Até esta sexata-feira (13) eram 112 casos confirmados em terras lusitanas e 1.308 suspeitos. Há ainda 172 que aguardam resultados laboratoriais. Até mesmo estudantes brasileiros estão em quarentena, como reportou o EM TEMPO. Em algumas instituições, como a Universidade do Minho, as aulas foram suspensas após casos confirmados entre alunos e professores. Outras instituições famosas e que já encerraram as aulas presenciais são a Universidade de Lisboa; Universidade de Coimbra; e Universidade do Porto.

    O plano de contingenciamento de cada universidade vem sendo aplicado desde a semana passada, quando Portugal confirmou o primeiro caso de coronavírus. Um homem médico de 60 anos, recém-chegado da Itália, recebeu o diagnóstico no dia 2 de março. Ele está internado no Hospital São João, no Porto (distante 313,3 km de Lisboa). A cidade está na Região Norte de Portugal, uma das mais afetadas, com mais de 25 casos. 

    Quem tem sofrido com o encerramento das aulas são intercambistas, dentre eles brasileiros, que estão nas universidades para cursar um período, ou mais, no caso da graduação. Os estudantes reclamam da falta de informação das universidades, já que as suspensões podem ser por tempo indeterminado e não há posicionamento detalhado de como as aulas serão repostas.  

    Universidade de Coimbra também está com as aulas presenciais suspensas
    Universidade de Coimbra também está com as aulas presenciais suspensas | Foto: Divulgação/UC

    Segundo a Direção-Geral das Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), equivalente ao Ministério da Educação brasileiro, o Brasil é o país de origem da maioria dos estudantes estrangeiros em Portugal. No período 2018/2019, estavam inscritos 13.295 brasileiros, de um total de 45.794 estudantes internacionais. 

    Na Universidade do Porto, localizada na cidade de mesmo nome, 73% do total de estudantes estrangeiros de grau na universidade são brasileiros. Isso é: quase três em cada quatro alunos internacionais são do Brasil, dentre outras 80 nacionalidades.

    Relatos

    A brasileira Francielli Dário é estudante de Farmácia da Universidade do Porto, um dos cursos que teve as aulas suspensas essa semana após uma aluna ser diagnosticada com Covid-19. Desde fevereiro em Portugal, a estudante faz parte do grupo de intercambistas chamados de 'erasmus' ou 'estudantes internacionais', que são aqueles que estão a cursar apenas um semestre em uma universidade portuguesa, fruto de parceria com a instituição de origem do Brasil.

    "Minha maior preocupação é o prejuízo que eu possa vir a ter, porque a gente conta o tempo de estudo aqui para validar as disciplinas na faculdade do Brasil. E o segundo é o preço do euro que não para de subir. E tudo o que a gente planejou, eu e outros intercambistas, estamos vendo desvalorizar, ficar sem rumo", diz a jovem.

    Faculdade de Medicina da Universidade do Porto
    Faculdade de Medicina da Universidade do Porto | Foto: Divulgação/uporto

    Sobre o euro, a moeda foi de R$ 4,72, no mês passado, para R$ 5,38, na sexta-feira (13), com previsão de alta. A maior parte da acentuação é associada ao coronavírus e a chamada guerra dos preços de petróleo entre Rússia e Arábia Saudita, que também tem tomado o noticiário mundial.

    "O intercâmbio sempre foi um sonho, porque a enfermagem na Europa é uma referência mundial. Não sou bolsista, então tive que guardar dinheiro para conseguir realizar meu sonho, e quando planejei a viagem o euro estava um preço e agora está totalmente diferente. Meu medo é que eu perca muito dinheiro ou mesmo que falte para eu me sustentar, dada essa crise", relata Francielli. 

    Uma brasileira que estuda Direito na Universidade do Porto e preferiu não se identificar, diz que não se sente preocupada com o coronavírus em si, mas sim com as dificuldades que pode vir a enfrentar, caso suas aulas sejam suspensas. A 'Uporto', onde a jovem estuda, também suspendeu as aulas por prazo indeterminado.

    Faculdade de Direito da Universidade do Porto
    Faculdade de Direito da Universidade do Porto | Foto: Divulgação/Uporto

    O portal EM TEMPO entrou em contato com a assessoria da Universidade do Porto e questionou se as aulas iriam ser suspensas e como ficaria a situação de estudantes internacionais brasileiros que estão matriculados na Instituição por apenas seis meses. Se terão aulas on-line ou de outra maneira. A Instituição acusou o recebimento do e-mail e informou que responderia até o fim da tarde de terça-feira (10), mas não deu retorno, mesmo após o fim do prazo. 

    Em comunicado oficial, a Universidade do Porto suspendeu as aulas e informou que está a estudar meios de implementar aulas a distância, haja vista que não há previsão de que as aulas voltem a ser ministradas presencialmente.

    Medidas de contingência 

    Câmara do Porto decidiu encerrar os teatros e museus e mandou cancelar todos os eventos públicos até 3 de abril, seguindo o plano de contingência contra a doença pelo novo coronavírus. Nas universidades e no mundo dos esportes, eventos foram cancelados ou adiados.

    Alunos de diversas universidades têm sido contatados por e-mail acerca da situação do coronavírus, além de formas de prevenção, como é  o caso do exemplo abaixo. No texto, a Universidade do Porto anuncia a suspensão. 

    E-mail enviado aos estudantes da Universidade do Porto na terça-feira (10)
    E-mail enviado aos estudantes da Universidade do Porto na terça-feira (10) | Foto: Reprodução

    A Direção-Geral da Saúde anunciou, ainda no domingo (8), o fechamento de todas as escolas dos concelhos (equivalente a cidades) de Lousada e Felgueiras, no Distrito (equivalente a Estado) do Porto. As aulas na faculdade de medicina da Universidade do Porto também estão suspensas, assim como estágios e visitas de estudo aos hospitais. 

    Outras universidades famosas, como a de Lisboa e Coimbra, além de estarem com as aulas presenciais suspensas, após casos confirmados de coronavírus entre estudantes ou professores, fecharam, também, espaços de convivência e estudo, como cantinas, bibliotecas, museus e jardins botânicos.