Problema Social


Fome cresce no mundo e é potencializada na pandemia, diz ONU

Dados revelam que, de 2018 para 2019, mais dez milhões de pessoas haviam entrado para a lista das que passam fome. O medo de especialistas é que o número exploda em 2020

Manaus - AM 16.01.2020 - Reportagem sobre a importância da merenda escolar para crianças de baixa renda. Na Foto: Adriel Henrique, 5 anos. Foto: Lucas Silva/ Em Tempo | Foto: Lucas Silva;Lucas Silva

Manaus - Um novo relatório da Organização das Nações Unidas aponta para a crescente desnutrição crônica no mundo. O documento foi divulgado na segunda-feira (13) e mostra que, de acordo com estimativas, até 2019, a fome afetava 690 milhões de pessoas, no planeta. A preocupação de especialistas ainda é maior para 2020, já que a pandemia do novo coronavírus gerou grande impacto na economia e consequentemente na rotina de todos. 

O dado da ONU gera mais impacto ao se analisar o resultado de 2019 com o de anos anteriores, já que o número representa dez milhões a mais de desnutridos, se comparado a 2018, e 60 milhões a mais do que 2014. Ou seja, mais pessoas têm passado fome a cada virada de ano.

“Se a tendência continuar, estimamos que, até 2030, esse número excederá 840 milhões de pessoas. Isso significa claramente que o objetivo (erradicar a fome até 2030, estabelecido pela ONU em 2015) não está no caminho certo”, disse Thibault Meilland, analista de políticas da FAO, em uma entrevista para a agência de notícias AFP.

A pesquisa da ONU foi feita pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), com a colaboração do Fundo nas Nações Unidas para a Infância (Unicef) e do Programa Mundial de Alimentos e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O documento das organizações prevê que a pandemia eleve o número de famintos no mundo para 83 a 132 milhões de pessoas a mais do que os atuais 690 milhões. 

A fome na pandemia

Assim como mostram os dados da ONU, a fome é um problema antigo. O mesmo é atestado por Marcelo Seráfico, sociólogo com conhecimentos em desenvolvimento e globalização.

"A origem da fome não é ela mesma. Essa falta de alimentação é o problema como se apresenta, mas a origem é no modo de estruturar a economia. O modo que prefere concentrar poder e propriedade na mão de poucas pessoas, que usam esse poder para acumular riquezas privadas", afirma o especialista.

Sociólogo aponta fome como problema consequente de má economia
Sociólogo aponta fome como problema consequente de má economia | Foto: Michael Dantas

Segundo ele, o fenômeno faz com que poucas pessoas tenham muita riqueza, enquanto outras muitas dividam pouco dinheiro e alimentos. A chamada desigualdade de renda. 

"Isso se agrava [durante a pandemia] porque você tem uma situação em que a condição econômica das pessoas se precariza ainda mais e esse controle é mantido, o que significa dizer que todo um contingente de pessoas que antes podia se alimentar pelo menos para sobreviver, agora nem isso vai poder. Essa população mais pobre talvez comece a cair na condição de famélica, de experimentar a fome de fato", afirma o sociólogo.

Marcelo ressalta ainda que a fome, além do problema social, tem ainda camadas que afetam a saúde pública, a política e até a economia.

Fome: um problema econômico

Como o sociólogo defendeu, a fome é considerada um problema econômico. É como explica Wallace Meirelles, professor e economista. Segundo ele, tudo está interligado.

"Com toda certeza a fome e a marginalidade das pessoas mais pobres, que no Brasil é gigantesca, afeta e muito a economia. Isso acontece também em uma parcela enorme nos países pobres", afirma o especialista.

Meirelles acredita que  fome pode ser vencida com políticas públicas direcionadas
Meirelles acredita que fome pode ser vencida com políticas públicas direcionadas | Foto: Divulgação

Ele ressalta que hoje, durante a pandemia, se fala muito sobre economia. Mas alerta para o risco de não se pensar nas pessoas.

"A economia está indo para trás porque a sociedade está indo para trás. É só ver, temos mais de 70 mil mortos no Brasil. Esse número está baixo, tenha certeza que na real são muito mais óbitos e isso mostra a pouca participação do Estado na resolução de problemas. Isso vai afetar tudo, inclusive a fome, porque as pessoas estão sentindo o peso do momento que vivemos", comenta Wallace.

E as previsões do economista para o futuro não são as melhores. Ele explica que, depois de uma crise, uma economia não se recupera rapidamente. A melhora é gradual e pode levar dois ou três anos.

"Estudei grandes períodos de crises econômicas e digo para você, nem durante a Primeira Guerra Mundial a economia parou tanto quanto agora. Por isso todos precisamos nos unir em acordos multilaterais para enfrentarmos problemas comuns, dentre eles, a fome", afirma o economista.

Desnutrição não é só fome

Que precisar de comida e não ter é um problema, é unanimidade. Mas aspectos de desnutrição são bem mais complexos do que isso. Para explicar o que é cada conceito, o EM TEMPO entrevistou Ana Margarida, nutricionista. 

A profissional conta que a fome é caracterizada pela falta de alimentos no organismo por períodos prolongados, causando sensações de desconforto e dor. 

Nutricionista explica conceitos quando se trata da fome
Nutricionista explica conceitos quando se trata da fome | Foto: Divulgação

"Essa sensação é devido à falta de energia que o organismo precisa para continuar com suas atividades vitais. Quando há um período muito prolongado sem alimentos, essa sensação pode se agravar causando mal-estar, dor no estômago, fraqueza e chegar a um óbito", afirma a especialista.

Além da fome, há também a desnutrição, que não é a mesma coisa. Segundo Ana, esse conceito pode ser definido em três grupos diferentes, segundo a Academy of Nutrition and Dietetics (AND) e da American Society of Parenteral and Enteral Nutrition (Aspen). Veja abaixo as categorias.

Fonte: na imagem
Fonte: na imagem | Foto: Em Tempo

Além da desnutrição e fome, há ainda um último fenômeno que tem sido potencializado durante a pandemia, segundo especialistas. É a insegurança alimentar.

"É chamado assim quando o acesso e a disponibilidade de alimentos são escassos. Se uma família não tem acesso regular e permanente à alimentação, em quantidade e qualidade adequadas, ela está em situação de insegurança alimentar", explica a profissional.

Ela alerta para a pandemia da Covid-19 e como a crise representa uma ameaça à segurança alimentar e nutricional, em especial às comunidades mais vulneráveis do mundo. "Corremos o risco de assistir a uma emergência alimentar global", finaliza a nutricionista.

Leia mais:

Merenda escolar mata fome de crianças no Amazonas

Movimento voluntário ajuda pessoas em situação de vulnerabilidade

Auxílio emergencial: qual a solução para a extrema pobreza do Brasil?