Racismo


Ator português Bruno Candé é morto a tiros e família fala em racismo

A família de Candé diz que ele foi vítima de um crime de ódio, já que dias antes o atirador havia ameaçado o ator com insultos racistas

Bruno Candé
Bruno Candé | Foto: Divulgação

Bruno Candé, astro de novelas portuguesas, foi alvejado por quatro tiros na tarde de sábado (25), enquanto passeava com sua cadela. O suspeito é um idoso de 80 anos. O crime aconteceu em Moscavide, em Loures, nos arredores de Lisboa.

Segundo a imprensa portuguesa, a família de Candé diz que ele foi vítima de um crime de ódio, já que dias antes o atirador havia ameaçado o ator com insultos racistas.

De acordo com o Jornal de Notícias, o idoso foi impedido de fugir por pessoas que passavam no local e está sob custódia da polícia. Ele e o ator de novelas como ‘Única Mulher’ e ‘Rifar o Coração’ teriam tido uma discussão três dias antes do crime, quando o homem teria batido em Pepa, a cadela de Bruno. O idoso teria dito ainda para ele voltar para a sua terra e ameaçado matá-lo.

Um comunicado da família em parceria com a organização SOS Racismo afirma que “Fica evidente o caráter premeditado e racista deste crime hediondo. Os filhos, a família e amigos do Bruno Candé Marques perderam um pai, um filho, um irmão e um amigo cuja vida foi ceifada pelo ódio, uma perda irreparável. Prestamos homenagem ao Bruno e exigimos que a justiça seja feita de forma célere e rigorosa”.

Leia mais: 

Governo do Piauí é alvo de operação da PF por desvios na educação

OMS diz que viagens terão que recomeçar e faz apelo a países

Marielle Franco recebe homenagem no dia em que faria 41 anos