Protestos


Hong Kong tem novo protesto contra adiamento de eleições

Líder de Hong Kong, Carrie Lam, adiou em julho a eleição devido a um aumento nos casos de Covid-19

Milhares de policiais estavam posicionados ao redor da agitada península de Kowloon | Foto: Yara Nardi

Hong Kong - A polícia disparou spray de pimenta contra manifestantes em Hong Kong neste domingo (6) e prendeu quase 300 depois que manifestantes saíram às ruas para protestar contra o adiamento das eleições legislativas e uma nova lei de segurança nacional imposta pela China. 

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, adiou em julho a eleição de 6 de setembro para vagas no Conselho Legislativo do centro financeiro asiático por um ano devido a um aumento nos casos de coronavírus.

A medida representou um golpe para a oposição pró-democracia, que esperava ganhar uma maioria histórica no Conselho, onde apenas metade dos assentos é eleita diretamente e a outra metade ocupada por membros nomeados que, em sua maioria, apoiam Pequim.

O pleito teria sido a primeira votação oficial da ex-colônia britânica desde que Pequim impôs uma nova legislação de segurança no final de junho. O governo insiste que não houve motivo político para o adiamento.

Milhares de policiais estavam posicionados ao redor da agitada península de Kowloon enquanto centenas de manifestantes agitavam cartazes e gritavam slogans populares antigovernamentais como "liberte Hong Kong".

Esses slogans agora estão proibidos pela nova lei de segurança. Em uma nota em sua página no Facebook, a polícia disse ter prendido 298 pessoas, principalmente por aglomerações ilegais.

*Com informações da Agência Brasil

Veja mais:

Primeiro caso de reinfecção por coronavírus é confirmado em Hong Kong

Parentes de mulher morta a facadas pelo ex fazem protesto em Manaus

Advogado de policial diz George Floyd 'se matou'