Fonte: OpenWeather

    Canibalismo


    Professor é preso após evidências indicarem prática de canibalismo

    A polícia encontrou ossos humanos em um parque da capital alemã e cães farejadores ligaram as pistas ao apartamento de Stefan

    Durante as investigações, foi descoberto que Stefan R. encontrou sua vítima a partir de um site de relacionamentos | Foto: Divulgação

    Um professor de matemática e química identificado como Stefan R, de 41 anos, foi preso suspeito de cometer canibalismo em Berlim. No dia 8 de novembro, autoridades foram alertadas sobre um corpo encontrado nas proximidades do parque principal da cidade. A vítima, reconhecida também como Stefan mas de sobrenome 'Trogisch', de 44 anos, já estava morta quando a equipe chegou ao local, e possuía inúmeras marcas de mordida, além de parte dos ossos visíveis sob a pele descarnada. Foi então que cães farejadores rastrearam os passos do assassino, alcançando sua casa.

    De acordo com Marin Steltner, porta-voz da promotoria de Berlim, o acusado estava intimamente ligado às práticas de canibalismo e possuía amplo interesse no assunto, algo que estava registrado em suas redes sociais e nas buscas pela internet. Além disso, mantinha em sua casa um refrigerador para carne, uma serra profissional para corte de ossos e 25 kg de soda cáustica, um forte reagente antiácido.

    O encontro

    Durante as investigações, foi descoberto que Stefan R. encontrou sua vítima a partir de um site de relacionamentos, onde marcou de se encontrar com Trogisch para posteriormente cometer o assassinato. No entanto, o caso ainda está em curso, e mais análises estão sendo feitas pela equipe policial, assim como os trâmites legais.

    Um modus operandi semelhante em Berlim

    Curiosamente, o crime cometido pelo professor se assemelha bastante a eventos que ocorreram em 2015, quando Armin Meiwes, o “canibal de Rotenburg”, havia agido da mesma forma. Porém, diferentemente do que houve com Stefan, Meiwes sempre assumiu o que queria, sendo surpreendido quando um jovem com fetiche em ser devorado vivo aceitou o convite do assassino.

    Segundo relatos do próprio canibal, o engenheiro Bernd Jürgen Armando Brandes ficou aliviado em saber que serviria de refeição para Meiwes, algo que facilitou a ação furtiva do homem. Apesar disso, a justiça acabou sendo aplicada quando toda a situação foi investigada e fechada, e o criminoso atualmente cumpre prisão perpétua em Berlim.

    *Com informações do MEGA CURIOSO

    Leia Mais

    Canibalismo pode salvar o planeta, diz cientista sueco