Fonte: OpenWeather

    Cannabis


    Maconha sai da lista de drogas mais perigosas da ONU

    O Brasil foi um dos poucos países que votaram contra a mudança de classificação.

    O Brasil é um dos países contrários a reclassificação
    O Brasil é um dos países contrários a reclassificação | Foto: Divulgação

    A Organização das Nações Unidas (ONU) firmou uma decisão histórica nesta quarta-feira (2), quando aprovou a recomendação para reclassificar a maconha da lista dos narcóticos considerados 'perigosos'. Esta decisão abre um caminho para ampliar o uso dos medicamentos derivados da cannabis.

    A votação foi durante a 63ª sessão de Comissão de Drogas e Narcóticos da ONU, que é formada por 53 países-membros.

    Apesar de países da América Latina como Colômbia, Uruguai, Equador e México serem favoráveis a mudança, China, Egito, Rússia e Turquia foram contra a proposta.

    No entanto, Estados Unidos, Canadá e grande parte da Europa endossaram o apoio à proposta da Organização Munidial da Saúde em 2019.

    O resultado foi bem dividido, houve resistência para a realização da votação. Porém, o pleito seguiu e 27 países votaram a favor pela reclassificação, 25 nações foram contra e um país votou em abstenção.

    A maconha e seus derivados estava na lista de drogas mais perigosas, ao lado da heroína, desde quando foi publicado o Anexo IV da Convenção sobre Drogas Narcóticas de 1961.

    Ainda assim, com a liberação, cada país tem sua autonomia e soberania para decidir sobre o uso da planta. 40 paises reconhecem a maconha para seu uso medicinal. 

    México foi um dos últimos países que liberou e legalizou o uso da maconha para uso recreativo e vários estados dos Estados Unidos aprovaram a descriminalização da planta em votação nas eleições de novembro.

    *Com informações do SBT Notícias 

    Leia mais:

    Senado mexicano aprova lei para ampla descriminalização da maconha  

    Anvisa aprova comercialização do primeiro produto à base de cannabis 

    Fabricação e venda de produtos derivados da cannabis entram em vigor