Fonte: OpenWeather

    Curioso


    Veja o curioso caso do professor que deixou de tomar banho há 5 anos

    O caso é curioso. James escreve artigos e livros sobre a experiência de parar de tomar banho

    Ele também é especialista em medicina preventiva
    Ele também é especialista em medicina preventiva | Foto: Stephen Yang

    James Hamblin, de 37 anos, é professor da Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale, e publicou o artigo “I Quit Showering, and Life Continued- Parei de tomar banho e a vida continuou",  ele conta que está perfeitamente bem após decidir parar de tomar banho há cinco anos. 

    Ele também é especialista em medicina preventiva e colabora com a revista americana The Atlantic, na qual escreveu o artigo. 

    "Passamos dois anos inteiros de nossas vidas tomando banho. Quanto desse tempo (e dinheiro e água) é desperdício?", diz o artigo publicado em 2016.

    Este ano, Hamblin publicou outro que intitulou “You're Showering Too Much- Você está tomando banho demais".

    E embora insista para que nunca paremos de lavar as mãos com sabão, ele diz acreditar que não devemos fazer o mesmo com outras partes do corpo.

    Em entrevista à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC, Hamblin não só falou sobre sua decisão, mas sobre os cinco anos de pesquisas que resultaram no livro Clean: The New Science of Skin and the Beauty of Doing Less (Limpo: a nova ciência da pele e a beleza de fazer menos), que ele publicou este ano.

    Quando questionado sobre por que parou de tomar banho, Hamblin faz uma pausa e responde: 

    "Bem, essa é uma história longa e realmente requer um livro para explicá-la. Mas eu queria entender o que está acontecendo. Conheço muitas pessoas que tomam banho muito pouco. Sabia que era possível, mas queria ter uma experiência pessoal para ver qual seria o efeito. Com o tempo, seu corpo fica mais e mais acostumado a isso, então você não cheira tão mal se não usar desodorante e sabão."

    Hamblin ressalta que, no seu caso, foi um processo gradativo: passou a usar menos sabonete, xampu e desodorante e tomou banho com menos frequência, o que fazia quase todos os dias.

    "Houve momentos em que queria tomar banho porque sentia falta, cheirava mal e parecia que minha pele estava muito oleosa. Mas isso começou a acontecer cada vez menos."

    Hamblin fala que tem um cheiro "próprio", de que sua mulher gosta e que para outras pessoas "não é ruim", diz ele.

    "Na maior parte de nossa história, tínhamos cheiros que faziam parte de como nos comunicamos com outras pessoas", explica.

    Lavar as mãos com sabão e escovar os dentes ainda são essenciais em seu regime de limpeza.

    *BBC News

    Leia mais:

    Dor de estômago: saiba quais as causas e riscos de automedicação

    Hidratação: mantenha sua saúde neste verão