Fonte: OpenWeather

    Aliança


    Biden quer renovar aliança com a Europa para combater autoritarismo

    Biden fez na sexta-feira (19) sua primeira grande aparição no cenário global desde que assumiu o cargo

     

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na sexta-feira (19) estar determinado a reconstruir a aliança do país com a Europa
    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na sexta-feira (19) estar determinado a reconstruir a aliança do país com a Europa | Foto: Divulgação

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na sexta-feira (19) estar determinado a reconstruir a aliança do país com a Europa, após anos de tensões provocadas pelo ex-presidente Donald Trump, em um esforço para fortalecer as principais democracias do mundo contra desafios autoritários.

    Biden fez na sexta-feira (19) sua primeira grande aparição no cenário global desde que assumiu o cargo e discursou virtualmente na Conferência de Segurança de Munique, um evento que ele costumava frequentar como vice do ex-presidente Barack Obama. O pronunciamento ocorreu pouco depois de uma reunião com líderes dos demais países que integram o G7 ao lado dos EUA.

    Para Biden, o mundo está diante de um “desafio fundamental sobre o futuro”. Segundo o presidente americano, há uma divisão entre aqueles que consideram que as autocracias representam um melhor modelo para enfrentar os principais desafios atuais, que vão desde a pandemia à quarta revolução industrial, e aqueles que defendem a democracia.

    “Os historiadores escreverão sobre este momento. É um ponto de inflexão. E eu acredito que a democracia deve prevalecer. Devemos mostrar que as democracias ainda podem servir ao nosso povo. Essa é nossa missão galvanizadora. A democracia não acontece por acaso. Temos que defendê-la, fortalecê-la, renová-la. Temos que provar que nosso modelo não é uma relíquia de nossa história”, defendeu o presidente americano.

    Biden afirmou que sua principal mensagem para os países europeus é que a “aliança transatlântica está de volta”, revertendo a política adotada por Trump nos últimos quatro anos.

    Ele reiterou o compromisso americano com a Otan, também questionada por seu antecessor no cargo, e citou a recente decisão de manter tropas americanas na Alemanha, cancelando uma ordem dada pelo republicano.

    China & Rússia

    Segundo o presidente americano, EUA e Europa precisam estar preparados para responder aos abusos econômicos cometidos pela China e para enfrentar uma batalha estratégia de longo prazo com Pequim. Outro desafio é a Rússia que, de acordo com Biden, quer desestabilizar a aliança europeia e a democracia.

    “O Kremlin ataca nossas democracias e usa a corrupção como arma para tentar minar nosso sistema de governança”, disse Biden no discurso. “Os líderes russos querem que as pessoas pensem que nosso sistema é mais corrupto ou tão corrupto quanto o deles. Mas o mundo sabe que isso não é verdade.”

    Apesar das críticas a Moscou e Pequim, Biden disse que EUA e Europa não devem promover uma nova Guerra Fria e ressaltou que a cooperação global é necessária para superar problemas comuns, como a pandemia de covid-19 e a crise climática.

    *Com informações do UOL

    Leia Mais:

    'Vale da morte': galinha é jogada em cativeiro de crocodilos; veja

    Fiocruz recebe 2 milhões de doses da vacina na próxima semana

    Brasil acumula mais de 10 milhões de casos de covid-19