Fonte: OpenWeather

    Oriente Médio


    Após dez dias de conflito, Israel e Hammas chegam a cessar-fogo

    Um acordo vinha sendo tentado há dias, com pressão internacional principalmente sobre o lado israelense

     

    Manifestação de palestinos na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém
    Manifestação de palestinos na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém | Foto: Ammar Award/Reuters


    Depois de dez dias de conflito e pelos menos 244 mortos, Israel e o Hammas anunciaram nesta quinta-feira que um cessar-fogo "mútuo e simultâneo", mediado pelo Egito, será iniciado às 2 horas desta sexta-feira (20h de quinta pelo horário de Brasília).

    Um acordo vinha sendo tentado há dias, com pressão internacional principalmente sobre Israel, embora o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu continuasse afirmando que continuaria a ofensiva até devolver “calma e segurança” aos cidadãos israelenses.

      Após várias conversas com Netanyahu, nesta quinta-feira o presidente dos EUA, Joe Biden, falou por telefone com o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, segundo a Casa Branca. O Egito foi o interlocutor nas negociações por ter acesso ao Hamas.  



    A França havia divulgado uma resolução da ONU ampliando a pressão sobre os EUA para que o país exigisse um cessar-fogo e emitiu uma declaração conjunta com o Egito e a Jordânia que “exortava as partes a concordarem imediatamente com um cessar-fogo”.

    Esforços contínuos

    Além disso, segundo a rede de TV Al Jazeera, o enviado da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland, estava se reunindo com o chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, no Catar.

    Na quarta-feira, uma autoridade graduada do Hamas disse que esperava que Israel e os militantes de Gaza chegassem a um cessar-fogo "dentro de um ou dois dias". "Acredito que os esforços contínuos em relação ao cessar-fogo terão sucesso", afirmou Moussa Abu Marzouk, do Hamas, durante uma entrevista à TV al-Mayadeen, do Líbano. 

    Leia a íntegra do comunicado israelense:

    "

    "O Gabinete de Segurança se reuniu esta noite. O Gabinete de Segurança Política aceitou unanimemente a recomendação de todos os agentes de segurança, o chefe do estado-maior, o chefe do Shin Bet (agência de segurança interna), o chefe do Mossad (inteligência estrangeira) e o chefe do Conselho de Segurança Nacional, para aceitar a iniciativa egípcia de um cessar-fogo incondicional bilateral, que entrará em vigor em uma data posterior. O chefe do Estado-Maior, o setor militar e o chefe do GSS revisaram perante os ministros as grandes conquistas de Israel na campanha, algumas das quais sem precedentes. A ala política enfatiza que a realidade concreta determinará a continuação da campanha”. "

    ,

     



    * Com informações do G1


    Leia Mais:


    Oito crianças morrem em ataque de Israel a Gaza

    Israel bombardeia Gaza para conter militantes palestinos

    Veja quarto blindado que salvou jogador brasileiro de míssil em Israel