Fonte: OpenWeather

    Imunização


    Presidente das Filipinas ameaça prender quem se recusar a tomar vacina

    "Você escolhe: vacina ou vai preso", afirmou Rodrigo Duterte em pronunciamento na TV

     

    Presidente tenta incentivar as pessoas a se imunizarem contra a doença e reforçou a decisão de não reabrir as escolas
    Presidente tenta incentivar as pessoas a se imunizarem contra a doença e reforçou a decisão de não reabrir as escolas | Foto: Manila


    País que registra um dos piores surtos de coronavírus na Ásia - com mais de 1,3 milhão de casos e acima de 23 mil mortes -, as Filipinas enfrentam baixa procura pelas vacinas, principalmente na capital Manila. Em pronunciamento na TV nesta segunda-feira (21), o presidente Rodrigo Duterte resolveu endurecer a abordagem com a população que resiste à campanha.

    "Você escolhe: vacina ou vai preso", afirmou Duterte. O presidente tenta incentivar as pessoas a se imunizarem contra a doença e reforçou a decisão de não reabrir as escolas.

    "

    Não me levem a mal, há uma crise em nosso país. Estou apenas irritado com os filipinos que não estão ouvindo o governo "

    ,

     


    A vacinação nas Filipinas não é obrigatória. Até domingo (20), as autoridades de saúde do país haviam vacinado 2,1 milhões de pessoas. É pouco, perto da meta de imunizar 70 milhões até o fim do ano em um país de 110 milhões de habitantes.

      Em julho de 2020, quando ainda não havia vacina, Duterte avaliou com ceticismo as reaberturas de Brasil e Estados Unidos. Ele disse que o governo local deve manter a reabertura das atividades econômicas em um ritmo diferente do adotado pelos dois países.  


    Para o filipino, na ocasião, os dois países mais atingidos pela pandemia de novo coronavírus reabriram de maneira desenfreada — algo que o arquipélago asiático não tem condições de arcar. "Nós somos pobres, não podemos nos arriscar", disse Duterte.

    "Os presidentes [de EUA e Brasil] são até corajosos, Bolsonaro tem dinheiro. Ele é como Trump e tem uma atitude 'o diabo que o carregue'", afirmou, em julho de 2020.

    No mesmo pronunciamento, Duterte criticou o Tribunal Penal Internacional (TPI) após um promotor pedir investigação contra o presidente filipino pelas mortes na "guerra contra as drogas".

      Duterte, que retirou as Filipinas do TPI, tem dito que não vai cooperar com os investigadores e diz que o tribunal é uma "besteira".  


    Grupos de direitos humanos acusam o presidente filipino de autorizar execuções sumárias de usuários de drogas. O chefe do governo do país defende as ações e diz que só quem foi morto foram aqueles que resistiram à voz de prisão.

    * Com informações do G1


    Leia Mais:

    Presidente encoraja matar bispos católicos