Fonte: OpenWeather

    Atentado


    Professora morre após salvar a filha em ataque na Alemanha

    Christiane H., de 49 anos, teria se jogado sobre a criança para protegê-la das facadas desferidas por um imigrante da Somália

     

    Polícia ainda investiga as motivações do atentado, incluindo um possível ato terrorista
    Polícia ainda investiga as motivações do atentado, incluindo um possível ato terrorista | Foto: Karl Jospeh Hildebrand/AFP


    A professora de alemão brasileira Christiane H., de 49 anos, que morava com a filha na Alemanha desde o começo deste ano e dava aulas em uma escola de Wuerzburg, é uma das três vítimas de um ataque a faca ocorrido na cidade na última sexta-feira (25). A informação foi confirmada pelo jornal Bild e divulgada pela agência de notícias Deutsche Welle.

      A professora teria se jogado sobre a filha Akines, de 11 anos, para protegê-la dos ataques desferidos pelo autor do atentado, um imigrante da Somália, que foi preso. A aproximação teria sido vista por uma mulher de 82 anos, que tentou puxar o agressor para longe da criança e da mãe, e acabou sendo morta, ainda segundo o jornal.  


    Pouco depois, a criança de 11 anos conseguiu escapar e correu para longe do local do atentado gritando que ainda não queria morrer, e sobreviveu com ferimentos graves, informou o Bild.

      De acordo com a Deutsche Welle, Christiane e a filha moravam na Alemanha desde o começo de 2021, porque a brasileira tinha começado a dar aula em uma escola de Wuerzburg, e viviam em uma casa nos arredores da cidade, segundo informações da polícia.  


    Uso de facas

    A polícia ainda investiga as motivações do atentado, incluindo um possível ato terrorista. O criminoso de 24 anos tinha um histórico de transtornos mentais. Ele teria gritado "Alá é grande" na hora do ataque, segundo relatos de testemunhas.

    Recentemente, ataques ou tentativas de ataque com o uso de facas têm sido a marca de atentados com motivação jihadista, particularmente na França. Em 2019, quatro pessoas foram esfaqueadas até a morte na sede da polícia de Paris. Em outubro do ano passado, um professor do ensino médio foi decapitado por um jovem checheno de 18 anos na cidade de Conflans Saint-Honorine, a noroeste de Paris.


     * Com informações do jornal O Globo 


    Leia Mais:

    Agressão: africano é atacado a tiros na Alemanha

    Padre 'possuído' joga ácido no rosto de bispos na Grécia