Fonte: OpenWeather

    Atentado em escola


    Ex-aluna de escola em Suzano fala sobre comportamento de atirador

    Filha de uma ex-funcionária da escola Raul Brasil, Rafaela conversou com o repórter João Fernandes na saída do velório coletivo na Arena Suzano

    A jovem disse que o atirador aparentava ser um garoto tranquilo | Foto: Reprodução

    Um caso que chocou o país e muitas perguntas que ainda não foram respondidas. O que motivou o massacre na escola estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo? O que se passava pela cabeça dos atiradores? Por que tanta crueldade? Só o tempo poderá dar as respostas, mas depoimentos de amigos, alunos e ex-alunos podem ajudar a polícia nas investigações.

    Rafaela, ex-aluna e filha de uma ex-funcionária da escola, compareceu ao velório de seis vítimas do massacre, que acontece nesta quinta-feira, e conversou com o repórter João Fernandes. Muito emocionada, ela falou sobre o contato que tinha com Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos.

    Segundo a jovem, que afirmou não ser próxima do atirador, até pela diferença de idade, disse que ele aparentava ser um garoto tranquilo. Veja como foi:

    Veja entrevista da aluna | Autor: SBT Notícias

    Dia do terror

    Na manhã desta terça-feira (13), dois rapazes de 17 e 25 anos invadiram a escola estadual Professor Raul Brasil, localizada em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, e abriram fogo contra alunos e funcionários. Dez pessoas foram mortas e outras nove ficaram feridas.

    Os assassinos Guilherme Tauci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, se suicidaram após a chegada da Força Tática ao local. Ambos foram identificados por testemunhas como ex-alunos da escola. 

    No local, a polícia militar encontrou um revólver 38, uma besta (uma arma semelhante a um arco e flecha), coquetéis molotov e uma mala com fios.

    Estudantes que presenciaram o ataque ainda alegaram que os criminosos possuíam uma faca e um machado pequeno.

    Antes do ataque à escola, o atirador mais novo havia executado o próprio tio. Jorge Antônio Moraes era comerciante e proprietário de uma loja de automóveis, próxima ao local do atentado. 

    Guilherme Tauci, que havia sido demitido da loja, executou o tio a tiros e roubou o veículo utilizado para chegar ao colérgio

    Leia mais

    Vídeo mostra ação de atiradores em escola de Suzano

    Polícia identifica atiradores de ataque em escola de São Paulo

    Adolescentes usaram revólver e arma medieval em ataque em Suzano