Fonte: OpenWeather

    Julgamento


    'País vergonhoso', diz vítima que escapou da morte e viu réus libertos

    Os dois envolvidos na tentativa de homicídio foram condenados a mais de 9 anos de prisão, mas ganharam liberdade em apenas quatro meses

    O caso envolvendo a vítima Rafael Bandeira ganhou repercussão nacional. | Foto: Divulgação

    RIO CLARO (SP) - Os dois réus condenados a nove anos e quatro meses de prisão por tentativa de homicídio em 2017 contra o jovem rio-clarense Rafael Bandeira ganharam a liberdade quatro meses após receberem a sentença no Fórum de Rio Claro.

    O advogado Ariovaldo Witzel, que representa um dos réus, entrou com um pedido de revisão, alegando falha no processo. A solicitação foi acatada e, com isso, o julgamento bem como a condenação dos acusados a nove anos e quatro meses de prisão em regime fechado foram anulados. Um novo julgamento será marcado, mas ainda sem data definida.

    Agressão em 2017

    O caso envolvendo a vítima Rafael Bandeira ganhou repercussão nacional. Ele saiu com dois amigos de um pub na Rua 1 com a Avenida 29, no Cidade Jardim, foram abordados por indivíduos que estavam em um carro. O passageiro perguntou para o trio se eles tinham um isqueiro. Os jovens disseram que não tinham e continuaram andando.

    Leia também: Mais notícias policiais do Portal EM TEMPO

    Foi neste momento que um dos ocupantes desceu do veículo e atingiu Rafael na cabeça, utilizando um bastão de madeira. Na sequência eles fugiram. A vítima ficou 12 dias internada na UTI, passou por cirurgias e recebeu dos médicos a notícia de que havia perdido 100% da audição do ouvido esquerdo.

    O julgamento

    Adiado em novembro de 2019, a sentença foi conhecida em 13 de fevereiro deste ano. Agora anulado, vítima e réus aguardam nova decisão. O julgamento foi anulado por votação unânime. A liberdade provisória dos réus aconteceu sob as condições de que devem comparecer em juízo a cada 30 dias para justificar suas atividades, não podem sair da cidade em que residem sem prévia autorização judicial e não podem se aproximar da vítima ou de familiares dela.

    Leia mais: www.emtempo.com.br/policia