Fonte: OpenWeather

    Coronavírus


    Covid-19: Vacina americana tem 98% de eficácia em adultos

    Segundo estudo, imunizante gerou efeitos colaterais menos intensos como dor de cabeça, dor muscular e febre moderada

    Segundo o artigo, os experimentos, divididos em etapas, tentam identificar efeitos graves e se a imunização foi eficaz
    Segundo o artigo, os experimentos, divididos em etapas, tentam identificar efeitos graves e se a imunização foi eficaz | Foto: Dado Ruvic/ Reuters

    A vacina da Johnson & Johnson contra o novo coronavírus apresentou 98% de eficácia em adultos, segundo informações divulgadas no site científico MedRxiv na última sexta-feira (25).

    O documento, que contém 28 páginas, reúne dados sobre as fases dos testes da vacina Ad26.COVD2.S. Os dados mostram que, 29 dias depois da imunização, 98% dos participantes produziram anticorpos para neutralizar a Covid-19.

    Segundo o artigo, os experimentos, divididos em etapas, tentam identificar efeitos graves e se a imunização foi eficaz. Eles foram feitos entre o dia 22 de julho e 24 de agosto, com 796 voluntários em 3 grupos. Desses, 2 tinham entre 18 a 55 anos. O terceiro tinha indivíduos com 65 ou mais (394 ao todo).

    Nas divisões, houveram pessoas que receberam uma dose maior ou menor do medicamento. Em cada uma, teve um subgrupo para receber apenas um reforço. 

    Com as informações coletadas, concluiu-se que a criação de anticorpos foi semelhante entre participantes de 18 a 55 e nos que tinham 65 ou mais. De todo modo, os efeitos colaterais mais comuns foram de dor de cabeça, dores no corpo, febre moderada e fadiga.

    Além disso, a pesquisa mostra que a vacina foi suficiente em dose única e gerou consequências menos intensas, com uma resposta imune satisfatória.

    "Todas as outras vacinas de Covid-19 atualmente em desenvolvimento requerem duas doses, enquanto as respostas de anticorpos neutralizantes em todos os participantes relatados foram obtidas após uma única dose de Ad26.COV2.S", contam os cientistas.

    No Brasil, a vacina da Johnson terá testes de fase 3, de maior número de pessoas e com uma única dose.  


    Coronavirus