Estupro de vulnerável


'Guru da meditação', Tadashi Kadomoto, vira réu por estupro

Conforme a denúncia, as vítimas eram abusadas durantes os atendimentos

| Foto: Divulgação

O terapeuta Tadashi Kadomoto se tornou réu por estupro de vulnerável após a Justiça de São Paulo aceitar a denúncia do Ministério Público.

Tadashi é conhecido como “gura da meditação na pandemia”. As lives dele nas redes sociais costumam atrair milhares de seguidores com mensagens de autoconhecimento. O réu ainda atua há quase 30 anos fazendo terapia transpessoal, que usa hipnose, meditação, regressão e relaxamento.

O terapeuta é acusado por um ex-aluna e paciente. A vítima procurou o Ministério Público no fim do ano passado para fazer a denúncia. Ela contou que foi estagiária no instituto que leva o nome do terapeuta e que também buscou atendimento em uma clínica dele para tratar distúrbios alimentares.

Após ouvir testemunhas e coletar evidências, a Promotoria denunciou o terapeuta, que responderá na Justiça por 5 estupros.

A promotora responsável pelo caso, Celeste Leite dos Santos, disse que Tadashi se aproveitou do momento vulnerável da vítima. “Foi de uma forma progressiva… Começou com um toque, depois troca de e-mails, até que ele consumou, quando ela não tinha a menor capacidade de assumir resistência, o ato sexual, não respeitando sequer o fato de que a vítima estava grávida”, falou.

Ela ainda reforçou que o objetivo de Kadomoto era obter conjunção carnal com a mulher. “Ele tinha ciência que ela tinha distúrbios alimentares. E em vez de ser fonte de tratamento, ele foi agravando todos esses problemas para poder atingir o seu objetivo, que era o mesmo desde o princípio: obter conjunção carnal com a vítima”, disse Celeste.

Em nota, a defesa de Kadomoto afirmou que “em toda a sua reconhecida trajetória profissional, jamais recebeu solicitação de esclarecimento sobre qualquer fato e nenhuma denúncia formal até o momento”.

Leia mais: 

Adolescentes desaparecidas voltam para casa e são ouvidas pela polícia

Casal é preso após assaltar mototaxista no São José Operário

Após exame de corpo de delito, detentos fogem do IML em Manaus