Fonte: OpenWeather

    Prevenção


    Macapá decreta estado de calamidade pública após 48 horas de apagão

    Assinatura ocorreu no fim da tarde desta quinta-feira (5). Também foi autorizado funcionamento 24 horas de postos de combustíveis na capital

    | Foto: Divulgação

    O prefeito de Macapá Clécio Luís (sem partido) decretou no final da tarde desta quinta-feira (5) estado de calamidade pública na capital por 30 dias. A medida é em virtude do apagão que acontece em 13 dos 16 municípios do Amapá há quase 48 horas.

    Também foi assinado um segundo documento, que autoriza o funcionamento 24 horas de postos de combustíveis. Por causa dos decretos de restrição de atividades econômicas em função da prevenção da Covid-19, os locais estavam autorizados a funcionar de 6h até 22h.

    "Nós alteramos o decreto de calamidade pública, estava só para pandemia, em razão do apagão. Estamos tendo dificuldade de comprar outros tipos de insumos. Então o decreto de calamidade pública vai nos ajudar a resolver problemas nesses dias enquanto não se encontra solução definitiva do apagão", explicou o prefeito.

    Ainda foi anunciada a disponibilização de seis caminhões pipas: dois para abastecimento de hospitais e Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e quatro para bairros da capital, ainda não especificados. A água ofertada não é potável, por isso deve ser usada apenas nos afazeres domésticos e higiene pessoal.

    Além disso, foi reforçada a segurança das ruas, UBSs e escolas com apoio da Guarda Civil Municipal e sistema de abastecimento de ambulâncias e viaturas. Equipes da Defesa Civil, assistência social e zeladoria urbana também estão disponível para o caso de novas chuvas.

    O apagão foi resultado de um incêndio em uma subestação de energia na capital, na noite de terça-feira (3). O gabinete de crise formado pelo governo federal divulgou, ainda nesta quinta, três planos de recuperação do serviço.

    Um deles prevê o restabelecimento de 70% da energia elétrica em até 48 horas. Porém, os outros dois estabelece um prazo de 15 a 30 dias para a normalização.

    Em alguns bairros da capital - no Centro e Zona Sul - e no município de Santana, na Região Metropolitana, têm energia, devido a serem abastecimentos pelos mesmos circuitos que serviços essenciais como hospitais e o sistema de tratamento de água e esgoto.

    Mesmo assim, os locais encaram oscilação no serviço. A partir da noite de terça, o Amapá foi afetado, durante horas, por uma chuva intensa, com muitos raios.

    O Centro Integrado de Operações em Defesa Social (Ciodes) informou que recebeu registros de duas pessoas atingidas pelas descargas elétricas.

    A falha vem afetando o funcionamento das redes de telefonia fixo, móvel e de internet, que funcionam de maneira limitada. Hospitais passaram a depender de geradores. Macapaenses vêm ocupando shoppings e aeroporto em busca energia.

    *Com informações do G1/Amapá

    Confira notícias relacionadas:

    Governo Federal reconhece calamidade pública no Ceará e Bahia

    Animais resgatados são fotografados ao lado de bombeiros na Austrália

    Fiocruz aponta que mortes por Covid-19 chegam ao menor nível desde maio