Fonte: OpenWeather

    Comunicado


    ONU pede investigação independente da morte de João Alberto

    Em comunicado, comissária defende “reformas urgente de leis”

    João Alberto foi morto na véspera do dia da Consciência Negra | Foto: divulgação

    A alta comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu às autoridades brasileiras que seja investigada de maneira “rápida, completa, independente, imparcial e transparente” a morte de João Alberto Silveira Freitas. 

    Em comunicado, a porta-voz da alta comissária, Ravina Shamdasani, disse que a morte de João Alberto “é um exemplo extremo, mas infelizmente muito comum, da violência sofrida pelos negros no Brasil”, onde há “persistente discriminação estrutural”. Segundo ela, Bachelet salienta que é preciso apurar se o crime foi motivado por preconceito racial.

    A morte ocorreu na noite de quinta-feira (19), véspera do Dia da Consciência Negra, no supermercado Carrefour, em Porto Alegre (RS). 

    Conforme a porta-voz da alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, o racismo, a discriminação e a violência contra afrodescendentes no Brasil “são documentados por dados oficiais, que indicam que o número de vítimas afro-brasileiras de homicídio é desproporcionalmente maior do que outros grupos”.

    A porta-voz disse que Michelle Bachelet defende “reformas urgentes de leis” e adoção de ações afirmativas no país. Conforme o comunicado, “as autoridades devem intensificar a educação em direitos humanos, a fim de promover uma melhor compreensão das raízes do racismo, e fazer um maior esforço para incentivar o respeito à diversidade e ao multiculturalismo. Devem ainda promover um conhecimento mais profundo da cultura e história dos afro-brasileiros, bem como da sua contribuição para a sociedade brasileira”.

    Desde quinta-feira (19), estão presos os agressores filmados espancando a vítima - um segurança terceirizado do supermercado e um policial militar temporário que estava fora de horário de serviço na PM, ocupado em atividades administrativas e de segurança terceirizado para o Carrefour. Presos em flagrante, eles podem ser enquadrados no crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar.